quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Poemas do Viandante (336)

336. O VENTO DO CREPÚSCULO SOPRA PELAS RUAS

O vento do crepúsculo sopra pelas ruas,
faz tilintar as folhas do coração,
abre alamedas de poeira nos campos,
um rasto de luz e água
no naufrágio do teu peito incendiado.

Como uma seta, chega a noite
e o murmúrio das árvores cresce,
desenha bandos de pássaros escuros,
um exército de flores devastado
sobre um jardim preso ao luar.

Sentado, leio-te um livro nocturno,
a história inacabada de uma princesa,
o rumor de uns passos na escuridão.
Adormeces e tapo-te com o linho do lençol
e leio o pudor do teu rosto até amanhecer.