terça-feira, 23 de julho de 2019

Diálogos morais 15. Cegueira

Ernst Haas, Homecoming Prisoners, Vienna, 1947

- Conhece-o, conhece-o?
- (...)
- É o meu filho, viu-o?
- (...)
- Ninguém fala comigo.
- (...)
- Parece que tenho peste. Conhece-o?
- (...)
- Outro que passa. Ninguém vê a minha dor. Viu-o?
- (...)
- Ficaram cegos estes soldados. Viu-o?
- (...)
- Como o teriam podido ver se são cegos.

domingo, 21 de julho de 2019

Diálogos morais 14. Caminho

John Boyd, Couple snowshoeing, 1907
- Está frio.
- Não mais que ontem.
- Sim, mas a cada dia que passa tudo se torna mais difícil.
- É verdade, o caminho nunca mais acaba.
- Julgo que estás errado.
- Estarei?
- Chegará o momento em que o próprio caminho desaparecerá.

sábado, 20 de julho de 2019

Micronarrativa (21) O peso da sabedoria

Petr VelkoborskýLittle schoolboy, 1987
A sabedoria é uma coisa boa, muito boa. É o que me dizem lá em casa e a professora não pára de o repetir. Quase acreditei, mas descobri que era uma afirmação falsa, palavras para enganar crianças. A sabedoria é uma coisa pesada, tão pesada que, ao entrar no nosso cérebro, torna-o cada vez mais pesado. Quando estudamos demais corremos o risco de não conseguir levantar a cabeça. Temos de ter cuidado. Nada pior que um homem que não pode erguer a cabeça.

quinta-feira, 18 de julho de 2019

Poesia do Viandante (730)

William Congdon - Destroyed City (1949).
730. cidades circuncidadas


cidades circuncidadas
pelo terror
púrpura perpétua
engalanada de ervas
e destroços
cidades cantadas
na tômbola
sinuosa da solidão
castas cidades
cidades de cimento e sal

(28/12/2016)

quarta-feira, 17 de julho de 2019

O sal do silêncio (22)

Harry Callahan, Chicago, ca.1950
As aves partiram, os ninhos foram deixados ao abandono. O silêncio cresceu e, como sal, depositou-se na brancura da neve. Árvores irrompem da terra, elevam-se aos céus. Os seus ramos enegrecidos e descarnados esperam. O tempo passa vagaroso, movido pelo lento murmúrio com que o vento em vão procura as folhas que deseja acariciar.

terça-feira, 16 de julho de 2019

Micronarrativa (19) Vingança

Cecil Beaton, Three models dressed in Ladurée macaron colours, 1948
Uma lê, a outra reza. De que estou à espera? Sempre podia pegar num livro ou fazer uma oração, mas ler para quê e rezar a quem? Aguardo que se cansem. Quando quiserem falar comigo, direi que me dói a cabeça, levanto-me e deixo-as aí, abandonadas e entregues aos devaneios com que me esquecem.

sexta-feira, 12 de julho de 2019

Haikai do Viandante (374)

Clara Gangutia, Arco-íris, 1991
Sob o arco-íris
a vida corre em silêncio.
Da terra ao céu.

quinta-feira, 11 de julho de 2019

Poesia do Viandante (729)

Adolph Gottlieb - Amanhecer (1971)
729. no ardor do astro

no ardor do astro
o dia amanhece
transborda de luz
abre a úlcera
e urde
os tentáculos
que trarão
o navio da noite

(28/12/2016)

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Diálogos morais 13. Escuta

Josef Sudek, St. Vitus cathedral, Prague, Czech Republic, ca. 1926-27
- Ouviu?
- Não, não ouvi nada.
- Apenas um rumor, um sussurro.
- Talvez seja algum animal, um rato, um esquilo perdido.
- Não, o som desses conheço-o muito bem.
- ...
- Olhe a luz, veja como os raios penetram na catedral.
- Sim, mas não oiço nada.
- Se não consegue escutar a luz, o que conseguirá ouvir?

terça-feira, 9 de julho de 2019

Micronarrativa (18) O medo do encontro

Guy Bourdin, Fashion photography, 1970s
Ela queria sentar-se na sua própria sombra, mas um medo ancestral impedia-a. O que seria dela se, esmagada, a sombra se retirasse e ela, sem defesa ou saída, ficasse abandonada à tirania da luz? Então, quando o desejo a impelia, segurava-se a qualquer coisa que impedisse o corpo e a sombra de se encontrarem.

segunda-feira, 8 de julho de 2019

Haikai do Viandante (373)

Richard K. Hofmeister, Castle Enshrouded by Mist, 1979
Névoa e silêncio
cobrem o velho castelo.
Chão de pedra fria.

domingo, 7 de julho de 2019

Diálogos morais 12. Asas

Andrzej Mroczek - Nuit sur la Place du marché principal de Cracovie, 2004, (Sculptures d’Igor MITORAJ)
- Também te arrancaram os braços.
- É verdade.
- E as asas, o que é feito delas?
- Nunca as tive.
- O sexo, porém, sempre to permitiram.
- Não tenho a certeza.
- Não?
- Por causa dele, disseram-me, nunca teria asas.

sábado, 6 de julho de 2019

Poesia do Viandante (728)

Julian Schnabel - Always Virtue (1988)
728. virtudes são vírgulas

virtudes são vírgulas
no vendaval
do vício
                fogos-fátuos
na fogueira
da folhagem
                reticências
no rumorejar
do ruído

(28/12/2016)

sexta-feira, 5 de julho de 2019

O sal do silêncio (21)

Eve Arnold, Silvana Mangano at the Museum of Modern Art, New York, 1956
Há rostos silenciosos, e no silêncio que os habita esconde-se a luz de todos os mistérios do mundo. Em nenhuns outros se é capaz de imaginar uma personagem da tragédia grega. O silêncio é a máscara que permite que a voz do destino fale para o espectador atónito e que, quase incrédulo, espera a revelação da verdade.

quinta-feira, 4 de julho de 2019

Meditação Breve (105) De pernas para o ar

John Vachon, Children playing at a playground, Irwinville school, Georgia, 1938
Por vezes, como se dentro delas falasse um forte instinto, as crianças sentem que alguma coisa não está bem. Então, colocam-se de pernas para o ar e esperam, não sem razão, que a verdade lhes seja revelada.

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Haikai do Viandante (372)

George Pierre Seurat, Landscape with Horse, 1882
Um cavalo come
a erva da Primavera.
O homem espera.

terça-feira, 2 de julho de 2019

Micronarrativa (17) A sombra do desejo

Ray K. Metzker, Philadelphia, 1964
Ela nunca sabia quem iria encontrar ao virar de uma esquina. Umas vezes, não estava lá ninguém. Outras, passava por conhecidos e desconhecidos. O encontro mais decisivo foi aquele em que se deparou com a sombra do seu próprio desejo.

segunda-feira, 1 de julho de 2019

Poesia do Viandante (727)

Norman Narotzky, Last Light, 1990
727. last light in the sky

last light in the sky
luz e lírios
cisnes selvagens
desdobram-se
nas docas
lançam âncora
na areia lívida
the livid sand
dos areais da língua

(28/12/2016)

domingo, 30 de junho de 2019

Impressões 35. O hálito da Terra

Jeanne Carbonetti, Aliento de Primavera, 1988
Também a Terra possui um hálito. Chega até nós não na forma de um aroma, mas como um espírito que procura uma forma, como uma alma que se aproxima de um corpo e, fulgurante de luz e cor, entra nele pela porta aberta do olhar extasiado.

sábado, 29 de junho de 2019

Protecção

Richard Peter, Dresden 1945. View from the city hall tower, 1945
Não era um anjo. Longe disso. Foi alguém que, quando começaram os bombardeamentos, decidiu ir para o cimo da torre e observar. Era corajoso e, diz-se, não odiava os atacantes. Talvez compreendesse as suas razões. A princípio, chorou e sentiu uma dor lancinante a germinar mesmo no centro do seu ser, enquanto a cidade, a cidade onde nascera e que amava sobre todas as outras, se desmoronava. Depois, as lágrimas secaram, a dor desapareceu, o coração, que sempre fora benevolente, empederniu. Só assim suportava o que via. A partir do coração, a pedra cresceu a cada bombardeamento, tomou-lhe conta do corpo, paralisou-o. Hoje, é a estátua que ali vê. Protege-nos com o seu olhar de mármore.

sexta-feira, 28 de junho de 2019

Diálogos morais 11. Saberes

Karlheinz Weinberger, Rebel Youth, 1950s

- Sais comigo, esta noite?
- Não, não me parece.
- Tens já programa?
- Não, nem por isso.
- Então, sabes que…
- Preferia não saber.

quinta-feira, 27 de junho de 2019

O sal do silêncio (20)

Abbas Kiarostami
De ramo em ramo, o pássaro do silêncio tece, com linhas de vento, a fina rede que colherá o fogo da árvore da Primavera. 

quarta-feira, 26 de junho de 2019

Poesia do Viandante (726)

Norman Narotzky, Down to the Sea, 1983
726. o silêncio marítimo

o azul marítimo
da água
ilumina-se
no silêncio
percutido
pelo tambor
de areia e algas

(27/12/2016)

terça-feira, 25 de junho de 2019

Meditação Breve (104) Realidade humana

George Tice, Horse and Buggy, Lancaster, PA 1961
Contra o céu amplo e fundo, tudo o que pertence ao homem é pequeno e risível. Os seus objectos, os seus animais, a sua posição no mundo, até o seu desmedido orgulho e a nunca justificada vaidade.

segunda-feira, 24 de junho de 2019

Haikai do Viandante (371)

Modesto Urgell Inglada, Apunte de puesta de sol

No céu cor-de-rosa
a noite caminha alegre,
Fecho a porta e canto.

domingo, 23 de junho de 2019

Diálogos morais 10. Das coisas necessárias

Fred Boissonnas, Quiet Greece, 1903-1930
- O que queres daqui, rapaz?
- Não tem uma moeda?
- Para que raio queres tu uma moeda?
- Por que raio não a haveria de querer?
- És espevitado. Não há aqui moeda nenhuma.
- E uma nota, das pequenas?
- Desanda daqui.
- E um cigarro, também não há?

sábado, 22 de junho de 2019

O sal do silêncio (19)

Eugène Atget, Rue de la Montagne-Sainte-Geneviève, 1924
O chão brilha sob a luz mesclada de névoa, espera pelo viandante perdido que, olhando estupefacto para a direita e para a esquerda, não sabe já em que mundo se encontra. Se naquele de onde partiu, se naquele onde haveria de chegar.

sexta-feira, 21 de junho de 2019

Poesia do Viandante (725)

Norman Narotzky - All Life Is There (1984)

725. flores abandonadas

flores abandonadas
no herbário
da infância
sangram odores
de óleo
por poros de seda
secam se a mão
as toca
com a variz do vento

(27/12/2016)

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Impressões 34. O corpo e a dança

Gjon Mili, Stroboscopic image of ballerina Nora Kaye leaping, 1947
Dançar talvez seja a mais perigosa das ocupações humanas. Ao elevar-se, a bailarina vai perdendo um a um os seus corpos, como se alma, no momento da elevação, se quisesse despir dos mil vestidos que compõem o seu guarda-fatos. O perigo está no momento em que pousa na terra. Quantos corpos terá a alma dançante perdido? Os que recuperou e uniu em si ainda são suficientes para que tenha algo para dar vida e fazer rodopiar no palco perante uma plateia suspensa e tremente?

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Incendiada

Leonard Misonne, Bad Weather, 1909
Nos dias de chuva, ela passeava-se sob um guarda-chuva de cor sóbria. Não havia no seu rosto, para além da beleza, um sinal que a diferenciasse de qualquer um de nós. A família era conhecida e tinha influência assinalável na cidade. O estranho era que nem a beleza nem a influência lhe atraíam pretendentes. Nessa tarde de que me fala, chovia e ela fez o seu passeio habitual. Sentou-se, contra o costume, num banco de jardim. De dentro da gabardina, retirou uma garrafa, regou-se com o conteúdo e acendeu um fósforo. As chamas consumiram-na de imediato. Quando chegaram perto do sítio onde estava, não havia qualquer vestígio da sua existência. Nem sequer cinzas. Não há provas de que tenha morrido.

terça-feira, 18 de junho de 2019

Haikai urbano (48)

William Degouve de Nuncques, Nocturne in the Parc Royal, Brussels

Cidade tomada
pela escuridão da noite.
Fulgor da sombra.

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Diálogos morais 9. Descrições

Raoul Hausmann, Les photographes Raoul Hausmann et Marthe Prévot,1957

- Vês a mesma coisa que eu?
- Não sei o que vês. Se descreveres, talvez...
- Descrever?
- Sim, dizeres o que vês, as características, essas coisas.
- Impossível.
- Não entendo.
- Se eu descrevesse estaria já a falsificar o que vejo, a mentir-te e jurei nunca te mentir.

domingo, 16 de junho de 2019

Poesia do Viandante (724)

Darío Urzay - Agnostic site (2000)

724. com turvo talento

com turvo talento
pinto paisagens
de mercúrio
e magnésio
figuras de cobre
no cálcio quente
do entardecer

(27/12/2016)

sábado, 15 de junho de 2019

Impressões 33. Sombra

Walker Evans, Pedestrians at Curb, Seen from Above, New York City, 1928

Não deixa de ser estranho o destino dos homens. Uns fogem da sua própria sombra, enquanto outros, sem parar, correm atrás dela. Imaterial e imponderável, a sombra é o centro de todas as actividades humanas. Não há acção em que a luz, ao iluminar o homem, não projecte uma sombra que o fascina e o atemoriza.

sexta-feira, 14 de junho de 2019

O sal do silêncio (18)

Frederick Sommer, Colorado River landscape, 1942

Paisagens de pedra e água, moradas onde o silêncio cresce, lugares inexpugnáveis à curiosidade dos homens. Ali se recolhem, solitários, aqueles que vão deixar a vida. Sentam-se e esperam que um anjo chegue e lhes recolha a alma. O corpo, então, desaparece, como se quisesse desmentir o adágio "na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma", com o qual se jura pela conservação da matéria.

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Meditação Breve (103) Fugas

Alfred Eisenstaedt, Golfers’Ball, Esplanade Hotel, Berlin, 1929

A vida social - um baile, por exemplo - é um exercício de fuga à solidão. Começa-se sempre por fugir a esta, para depois se fugir de si mesmo e acabar por fugir do tremendo mistério que nos envolve. 

terça-feira, 11 de junho de 2019

Diálogos morais 8. Um equívoco

Alexey Titarenko, Untitled, (Two Heads), St. Petersburg, Russia, 1992

- Mãe, que estranha me sinto.
- Falta-te anda o hábito, o tempo to dará.
- Sinto-me a perder a face.
- Estás enganada, minha filha.
- Enganada?
- Sim. 
- Não compreendo.
- Nós pertencemos aos que nunca tiveram face.

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Haikai do Viandante (370)

Ferdinand Hodler, Los Alpes de Vaud vistos desde los Rochers-de-Naye, 1917

sobre a montanha
o silêncio luminoso
rasga-me a alma

domingo, 9 de junho de 2019

Poesia do Viandante (723)

Antonio Bisquert - Adoración (1975)

723. sonho fábulas e flores

sonho fábulas e flores
em presépio
de palavras
sonho um sono
germinado
à porta da carne
sonho de olhos
fechados
a lépida lentidão da morte

(27/12/2016)

sábado, 8 de junho de 2019

A fotografia

Horst P. Horst, London, 1936

Dançaram toda a noite. A princípio não os notei, mas, a certa altura, a forma como dançavam prendeu-me o olhar. Havia neles uma leveza que nunca vira, embora nunca tentassem distinguir-se dos outros casais. Conhece, por certo, aqueles pares que gostam de centrar em si os olhares, que se esforçam para manifestar uma distinção técnica e com isso parecem realizar um grande desígnio. Este era diferente, esforçava-se para ser apenas mais um. Quando a festa terminou, segui-os. Eles caminharam em silêncio e nunca deram as mãos. Chegados perto rio, pararam. Foi então que os fotografei. Nesse instante, sem que eu perceba como, desapareceram. Encontrei-os quando revelei a fotografia. Ali estavam eles, presos ao papel.

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Diálogos morais 7. Que pena

Bill Brandt, Penny-farthing for their thoughts, from A Day on the River, 1941

- Estou cansada. Para lá daquela margem está a nossa felicidade.
- Também o creio. Quem me dera que lá estivéssemos.
- É fácil, atravessamos o rio.
- Impossível, só tenho uma bicicleta.
- Que pena, seríamos felizes.
- Que pena, mesmo.

quinta-feira, 6 de junho de 2019

O sal do silêncio (17)

Andreas Feininger, Figurenarchitektur von Lyonel Feininger, 1971

Universos de pedra são como casas onde habitam homens silenciosos, clareiras onde tudo se vê mas nada tem sentido. Os seus habitantes caminham ao acaso, encontram-se e logo se afastam, sem que uma razão desfaça o enigma ou uma súbita iluminação lhes esclareça a existência.

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Pintura e haikus (10)

Mario Sironi, L'eclisse, 1942

Eclipse de pedra
no frio silêncio da rua.
O rumor da morte.

terça-feira, 4 de junho de 2019

Poesia do Viandante (722)

Gerhard Richter - Abstraktes Bild (1995)

722. tudo estremece

tudo estremece
no mar da mansidão
as palavras puras
roubadas
à gangrena do léxico
o rumor da ressurreição
na poeira da páscoa
o homem solitário
adormecido
no dédalo da desventura

(27/12/2016)

segunda-feira, 3 de junho de 2019

Impressões 32. Anjos

Lord Snowdon, Ballet Dancers Rudolph Nureyev and Dame Margot, 1963

É apenas um instante, uma ilusão maculada de alegria, um fruto que se abre para a maturação. Depois, elevam-se e são anjos. Escondem-se nos telhados e vigiam os homens. Por vezes, uma ânsia de gravidade atinge-os. Nesse momento, poisam ao de leve nas ruas e caminham envoltos no seu corpo de luz.

sábado, 1 de junho de 2019

Meditação Breve (102) Da luz como artifício

Eve Arnold, Gala Opening Metropolitan Opera, New York, 1950

A luz artificial, aquela que faz a glória da nossa civilização, tem o estranho condão de sublinhar o que há de obscuro e umbroso na realidade. Ao tocar num objecto ou numa pessoa, o que se manifesta, mesmo que, embotados pelo hábito, já não o notemos, é a sombra que a envolve.

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Impressões 31. Mundos circulares

Ramón Pérez Carrió - Bassa de Santonja, 1989

Há quem sonhe com mundos circulares, possuído por um desejo de perfeição ou um anseio de beatitude. Depois, ao acordar, projecta o sonho no mundo e recebe nos seus olhos a sombra do mistério e o passaporte para o silêncio.

quinta-feira, 30 de maio de 2019

O sal do silêncio (16)

Benvenuto Benvenuti, Alba in padule, 1926

A manhã rompe o silêncio e abre-se sobre o mistérios dos pântanos. As árvores despem o luto e deixam que as cores atraiam para elas os olhares de quem está longe.

domingo, 26 de maio de 2019

Poesia do Viandante (721)

Gerhard Richter - Abstraktes Bild (1995)

721. arquitecturas de água

arquitecturas de água
folhas tecidas
na leveza
do nada
grandes vitrais
tocados
por vozes de pérola
no açafate
dos dias dragados
pela espada da ilusão

(27/12/2016)

sábado, 25 de maio de 2019

Micronarrativa (16) Da salvação

Rudy Burckhardt, Legs of Woman Walking Across Manhole Cover, New York City, 1939

O barulho dos saltos ao bater na chão ecoa ainda na minha memória. De súbito, levanta-se uma tempestade terrível e ela, temerosa, embrulha-se no silêncio da sua sombra. Caminha então como se levitasse ou um anjo a tomasse em seus braços luminosos para a entregar na casa onde um dia de júbilo a aguarda.