sábado, 25 de março de 2017

A grande batalha

Yves Klein - La Grande Bataille

A grande batalha não é aquela que se trava com armas e que visa a morte do inimigo. A grande batalha dá-se no palco oculto de cada um. É o combate decisivo da guerra que se trava contra as próprias ilusões, com o desejo de irrealidade que habita o ser humano, com a cegueira e a surdez que tomaram conta de nós e que, na maioria das vezes, julgamos, com convicção quase invencível, de que são a nossa mais autêntica realidade. A grande batalha é o combate decisivo pela verdade de si mesmo. 

sexta-feira, 24 de março de 2017

O meu lugar

Richard Sandler - Grand Central Terminal, NYC (1990)

Estou aqui, não sei bem onde. Todas estas sombras que se agitam, vão e vêm, como se esse fosse o seu destino. Passam por mim como se passassem por coisa nenhuma. Levitam. Não vejo chão onde possam pôr os pés. Que sítio é este? O relógio, desde que cheguei, marca a mesma hora. E cheguei há tanto tempo. Sussurros, de onde virão? Sussurros e nem mais um som. Olho, mas ninguém olha para mim. Peço ajuda? E se não me vêem? Para qualquer lado que me volte, as mesmas sombras, os mesmo sussurros sobre o silêncio, os mesmos ponteiros paralisados sobre o esmalte do mostrador. Será isto o inferno? Não, nele não há silêncio, mas também não é o céu. Estou aqui, não sei bem onde.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Poemas do Viandante (619)

d'Agaggio - Eclosion printanière (1977)

619. eclodiu a primavera

eclodiu a primavera
nos bolbos
esquecidos
na friagem da terra
deslumbradas  infâncias
maquinam
homicídios de folhas
tortura de pétalas
a corola ardida
no ardor da morte

(08/12/2016)

quarta-feira, 22 de março de 2017

A rainha da noite

Jeanloup Sieff - Queen, London (1964)

Caminhava assim vestida pelo cais. A silhueta recortava-se na luz dos candeeiros e, nos homens que a viam, soltava-se um desejo intenso e inexplicável. Como sabe, são duros os homens do mar mas nunca nenhum se aproximou dela. Correram boatos. Seria louca, dizia-se. Outros apostavam que era o fantasma de uma rainha, cujo nome não recordo. Havia quem afirmasse que era a própria morte que meditava sobre quem levaria. O certo é que os homens enlouqueciam de desejo quando ela passava lenta e silenciosa. Olhavam-na fascinados. Não foram poucas as raparigas que, nos bordéis do porto, apareceram mortas nas noites em que ela vinha.

terça-feira, 21 de março de 2017

Haikai Urbano (6)

Jiri Georg Dokoupil - Polución en Madrid (1989)

nuvens de carvão
pelo dorso da cidade
uma vela arde

segunda-feira, 20 de março de 2017

Meditação breve (21) - A questão individual

Ángel Mateo Charris - La cuestión social (1998)

Na verdade, não existe nenhuma questão social. O que existe são milhões de questões individuais sobre o sentido que cada um deve dar à sua vida e os obstáculos que se levantam. O resto são abstracções.

domingo, 19 de março de 2017

Enigmas e mistérios

Ángel Mateo Charris - El buscador de enigmas (1999)

Confrontar-se com enigmas ainda é confiar na razão como caminho para os decifrar. O enigma não exige nada mais que um raciocínio apurado e treinado, um raciocínio que será tanto mais eficaz quanto maior for a informação de que dispuser. Para além do enigma, porém, está o mistério. Perante este, a razão soçobra, a informação torna-se obstáculo. Os mistérios, na sua efectiva natureza, não se dirigem à decifração. Qualquer técnica hermenêutica esbarra no sem sentido que os constitui. Pode, paradoxalmente, o homem, impossibilitado de o conhecer, viver nele e ser transformado nele e por ele. O enigma dirige-se à razão. O mistério, à existência.

sábado, 18 de março de 2017

Poemas do Viandante (618)

Charles Marq - Double composition II (1978)

618. componho com luz

componho com luz
e ar
uma botânica
de êxtases
nascidos na lentidão
com que
a abundância escorre
da cornucópia
corroída do corpo

(08/12/2016)

sexta-feira, 17 de março de 2017

Viagem

Pierre-Albert Marquet - O carro (1904)

Emigrar, partir do lugar onde se nasceu, talvez tenha sido a primeira e mais marcante forma de transcendência encontrada pelos seres humanos. O que está na origem do especificamente humano, se essa especificidade existir, é o impulso para ir mais além. Deixar para trás os limites onde se nasceu, abandonar a condição com que se chegou à vida, descobrir o espírito como o mais além do corpo. A vida é uma viagem não porque esteja balizada entre a concepção e a morte, mas porque é o exercício contínuo do impulso para se transcender.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Haikai do Viandante (318)

Fermín Alegre - Contra luz (Sahara) (1972)

sombras no deserto
caminham silenciosas
sol luz e areia