quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Poemas do Viandante (662)

Javier Rodríguez Quesada - Altar

662. pedra e luz e um rumor

pedra e luz e um rumor
de lume e lua
o cântico
cansado do louco
espelho
do mundo
escuridão da alma
um animal
na alvura do altar

(16/12/2016)

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Haikai urbano (28)

Saul Leiter - Purple Umbrella, Paris, 1950s

A purple umbrella
sob a chuva de Paris.
Um anjo passou.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Haikai urbano (27)

Raoul Hausmann - Nos Dames de Paris, 1939

Um caleidoscópio
dança febril nos meus olhos.
Pedras de Paris.

domingo, 19 de novembro de 2017

A cadeira

André Kertész - Acapulco,1955

Vê aquela cadeira? Não está a ver? Parece uma sombra, mas é bem real, se é que alguma coisa há que o seja. Não, não se preocupe, não vou discutir metafísica consigo. Aliás, é assunto que não me interessa. Quer saber o que ela tem de tão especial? Mudei-me para aqui há 70 anos, já a cadeira ali estava, e até hoje nunca vi ninguém sentado nela, apesar de todos os dias uma pessoa, que foi mudando ao longo dos anos, a limpar e cuidar. Dizem, certamente por superstição, que é o lugar do morto. Parece, agora, interessado. Quer saber porque lhe falo disto? É simples. A cadeira está ali e é evidente que está à espera. E sempre que chega um forasteiro, pergunto-me se não é ele que ela, há tanto tempo, aguarda.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Meditação breve (57) Desejo

John Loengard, Henry Moore’s Sheep Piece, Hertfordshire, England, 1983

O que a fotografia de John Loengard nos mostra, aparentemente, é a desproporção entre a realidade e os artefactos. No entanto, o que vemos é a desmesura do desejo humano expressa no trabalho de Henry Moore. O deseja celebra-se no seu excesso e este excesso é o sinal de um desejar infinito.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Poemas do Viandante (661)

Jesús María Cormán - Moor n.º 10 (2001)

661. chove na charneca

chove na charneca
um lago de saudade
vibra
em ondas verdes
rasgadas
pelo odor de poeira
uma catástrofe
de violetas
no vitríolo dos céus

(16/12/2016)

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Intimação

Otto Steinert - Call, 1950

A vida do espírito começa com um chamamento. Este dá-nos a dimensão da alteridade, do outro, daquele que toma a palavra e, com a sua voz, no chama. Esses outro que nos chama, contudo, não está, necessariamente, fora de nós. Esse outro podemos ser nós. Quando esse outro, que somos nós, nos chama, então é porque temos uma vocação. Se o chamamento vier de fora, ele não passe de uma solicitação. Se vier de nós, então estamos perante uma intimação. Somos intimados a responder.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Haikai urbano (26)

Artur Pastor - Cais das Colunas, Lisboa, 1950-69

No cais das colunas,
Lisboa perde-se nas águas.
Tejo, a luz do mar.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Haikai do Viandante (343)

Jeanne Carbonetti - Bétulas no Inverno (1997)

As bétulas despem-se
no silêncio do inverno.
Um ramo caiu.

domingo, 12 de novembro de 2017

O sopro do vento

Wolf Suschitzky - Milkman, Charing Cross road, London, 1935

Uma das formas de resistência que os seres humanos opõem ao espírito é a nostalgia. Olham o passado, paradoxalmente, como uma promessa de um mundo melhor. Na verdade, o que vêem são apenas simulacros desse passado despidos da sua vida real e de todo o trágico que ali houve. Essa saudade evita o exercício da escuta. O que devemos escutar? A resposta é simples: o vento. O vento sopra onde quer e nele repousa a energia, a virtude e a vontade do espírito.

sábado, 11 de novembro de 2017

Poemas do Viandante (660)

Jesús María Cormán - White event N.º 8 (2000)

660. espuma escorre

espuma escorre
tocada
pelo carbúnculo
do desejo
fio de água fiado
na roca do oceano
as mãos vazias
e
quase puras
tão puras as mãos do tempo

(16/12/2016)

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Evocações

Deborah Turbeville - Isabella at École Des Beaux Arts, Paris, 1977

Quando o espírito mergulha na evocação, como acontece nesta fotografia de Deborah Turbeville, nunca é com a finalidade de rememorar o passado ou, tão pouco, de o comemorar. A evocação não é um jogo memorial mas, antes, uma reconfiguração de elementos dispersos, que, de súbito, se unem para nos darem a ver uma presença inédita num presente nunca vivido. Evocar não é convocar o passado mas promover o presente.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Intimidade

Giorgio de Chirico - Entrevista (1927)

Naquilo a que se dá o nome de intimidade não existe apenas, e ao contrário do que muitas vezes se pensa, o que é mais próprio, autêntico e verdadeiro. A intimidade é um espaço de negociação entre o público e o privado, entre os desejos e afecções subjectivas e as convenções exteriores. A fronteira entre o íntimo e o público é de tal maneira porosa que, muitas vezes, se perde a noção daquilo que se deve reservar e aquilo que se deve ostentar. O segredo não é intrínseco à intimidade, mas resulta de uma conduta que exige esforço e persistência.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Vórtice

Francesca Woodman - Space², Providence, Rhode Island, 1975-1978

Tudo começou com uma pequena turbulência. Inexplicavelmente, aquele ponto do quarto parecia atravessado por correntes de ar vindas não sei bem de onde. Em vez de abrandarem e de desaparecerem, foram-se tornando mais vivas, até que um vórtice silencioso rodopiava à minha frente. Primeiro, foi uma sombra. Depois, qualquer coisa, talvez um espírito, ganhou contornos. Com o rodopiar, esses contornos preencheram-se. Eram um corpo, o teu corpo, ainda jovem e belo. Perguntei-te o nome, mas não sabias falar. Tive de te ensinar, para que me pudesses contar a tua história e falar desse lugar de onde fugiste naquele dia nunca por mim lamentado.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Haikai urbano (25)

Deborah Turbeville - Vera Abrusova, Stroganov Palace, 1996

Uma borboleta
sonha sombra e solidão.
Um rumor de ruína.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Poemas do Viandante (659)

Willem De Kooning -  Puerta al río (1960)

659. o vístula e o danúbio

o vístula e o danúbio
são rios
e valsam na calçada
a valsa dos
afogados
pedra ante pedra
bate a água
no barco
a balançar ao desvario
a rugir de
margem em margem

(15/12/2016)

domingo, 5 de novembro de 2017

Meditação breve (56) Fotografia

Kurt Hielscher - Albarracín, Spain, 1925

O que é uma fotografia? Uma fotografia é um desejo. O desejo de sair do tempo e entrar na eternidade. Eternamente, o cigarro fica suspenso, na mão daquele homem, sem chegar aos lábios. Eternamente, aquele rapaz e aquela mulher ficam sob o arco que anuncia uma entrada. Eternamente, aquela casa... Um desejo, por intenso que seja, não é, contudo, a realidade. A fotografia é um desejo nunca consumado, uma travessura de Eros, esse deus irrequieto e zombador.

sábado, 4 de novembro de 2017

Haikai urbano (24)

Ernst Ludwig Kirchner - Prostituta che si offre (1914)

Na rua se oferece
a quem se vende comprando.
Sonoro silêncio.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Naturezas mortas

Frances Murray - Rebecca-Tree, 1992

Não posso dar melhor conselho. Devemos ter cuidado com o que nos fascina. O fascínio é sempre a contraparte de um desejo. Um dia, ao maquilhar-se, ela notou um insólito risco ondulado no queixo. Tentou apagá-lo. Em vão. Conformou-se, quase de imediato, não sem secreto júbilo. Algum tempo depois, aquilo que parecia o desenho de um tronco cresceu desse traço até ao lábio. Aguardou com ânsia o que viria a seguir. A realidade não lhe frustrou a expectativa. Na pele do rosto, nasceram os ramos de uma árvore e expandiram-se para além dos contornos. Nunca o lamentou. Olhava-se ao espelho e não queria crer, ela, a quem sempre as naturezas mortas fascinaram, tinha alcançado a verdade escondida no fundo do seu desejo. Quando chegava a Primavera, cobria-se de folhas e todo o seu corpo irradiava luz. Cheguei a desejá-la.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

A ponte do diabo

Charles Clifford, Devil’s Bridge, Martorell, Catalonia, 1860–61

A história é essa, tem toda a razão. Sei-a desde a infância. Ouvi mil vezes o motivo por que lhe chamam a ponte do diabo. A narrativa perde-se na noite medieval. Fascinou-me, é verdade, mas acabou por deixar de me interessar. Se alguém me pergunta a razão do nome da ponte, nunca conto a história original. Invento sempre uma nova explicação. Não pense que o faço por desprezo pela verdade. Pelo contrário, é porque estou comprometido com ela que invento as histórias. Não percebe? Não é difícil, se imaginar as mil maneiras que o diabo tem para fazer a ponte para o coração dos homens. Nunca falo da mesma ponte, embora ela seja sempre a mesma.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Poemas do Viandante (658)

Aubrey Williams - Cosmic Storm (1977)

658. a tempestade cósmica

a tempestade cósmica
cola-se
ao vento frio
sopra do verso
                e
                tempestua
e voa
                pássaro de fogo
sagrado
na sagração da primavera

(15/12/2016)

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Haikai do Viandante (342)

JCM - Auto-retrato IX. Serra de Aire, 2007

Se chega o crepúsculo,
sou sombra da minha sombra.
A tarde entardece.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Meditação breve (55) - Mundo

JCM - My foolish world (2007)

O mundo é sempre um exercício persistente de ascese e de atenção. Sem esse exercício o que temos é o caos, a indefinição, o fim das formas num mar informe. Aquilo que vemos tão definido e exacto é o resultado de uma aprendizagem que o espírito, a princípio levado por uma coacção externa, depois de modo autónomo, se impõe. Na verdade, a realidade não é mais do que uma realização.

domingo, 29 de outubro de 2017

Sonho

Oscar Dominguez - La Rêve, 1946-47

Podemos dizer: o sonho é um fado, um destino que nos transforma em sonhadores. É verdade, mas também se pode dizer: o sonho é um furúnculo. Coçamo-lo, coçamo-lo e ele, então, sangra e deixa escorrer a pestilência que encerra ou a pestilência que nos encerra.

sábado, 28 de outubro de 2017

Haikai do Viandante (341)

Ivonne Sánchez Barea - Vuelo (2007)

Um pássaro voa
na vendaval da floresta.
Silêncio que resta.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Poemas do Viandante (657)

William Congdon - Black city on gold river (1949)

657. uma cidade de pez corre

uma cidade de pez corre
na margem
do rio de ouro
leva o fruto da fuligem
nas asas
que cobrem
casas e palácios
onde dorme
o plácido peixe da paciência

(15/12/2016)

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Meditação breve (54) - Errância

Friedl Dicker - Rêve (1934-38)

O espírito não sonha, nem projecta, nem desenha utopias. É presença pura e acontecer. O sonho, o projecto, a utopia são sintomas de uma doença, sinais que abandonámos a casa do espírito e que entrámos no caminho da errância.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Indícios

Aaron Siskind - Gloucester, 1944

A ciência trabalha não com certezas mas com corroborações robustas dadas pela experiência. O espírito, porém, não tem apenas uma dimensão científica. Fora dela, ele trabalha por indícios. Um indício não nos diz nada sobre a verdade do que quer que seja. Indica um caminho, sugere uma palavra, aponta um silêncio.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Haikai urbano (23)

Josef Sudek - View of the First Courtyard through the Matthias Gate, Prague, not dated

Ao cair da noite
sombras deslizam na luz.
Olho e enlouqueço.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Meditação breve (53) - Diferenciação

Rodney Smith - Twins Leaning Outward, 1997

O interessante nos gémeos, fundamentalmente nos monozigóticos, e que talvez tenha, muitas vezes, atraído sobre eles o rancor público, não é a sua semelhança mas o ter-se perante o olhar esse ponto onde o igual se começa a diferenciar. A pequena e subtil diferença traz com ela uma ameaça, um princípio de dissolução que é sentido, ainda que inconscientemente, como particularmente inquietante.

domingo, 22 de outubro de 2017

Poemas do Viandante (656)

Franz Marc - Gazelas

656. gatos, galinhas e gazelas

gatos galinhas e gazelas
a arte da falcoaria
adestrada
por mão falcoeira
sob céu
de ramagens
verdes
com rimas breves
e versos de pé
                               quebrado

(14/12/2016)

sábado, 21 de outubro de 2017

Meditação breve (52) - Cordas

Toni Scnheiders - Cordas, sd

A vida é o processo pelo qual tecemos as cordas que nos atam e destroem a liberdade. A vida do espírito não é outra coisa senão o desatar dessas cordas, o destrançar das suas fibras, para que a liberdade - esse vento que sopra onde quer - se manifeste.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

O mistério da dor

Karola Pęcherskiego -  Warszawa,1948

A organização laboriosa e quase geométrica da vida. Depois, de um momento para o outro, sem que se perceba bem porquê, vem a destruição. O que se manifesta em toda a destruição, mais do que o mistério da iniquidade, é o mistério da dor. Escuta-se o Stabat Mater Dolorsa, de Pergolesi e é esse mistério que se ouve. A que lugar a dor, vinda pelo vento da destruição, nos deverá levar? Esse é o mistério.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Haikai do Viandante (340)

Charles le Roux - Borde del bosque; Cerezos en otoño (1855)

As cores de Outono
são sombras a descer nos campos.
As árvores despem-se.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Encarnação

Luis Fernández - Abstracción (1928)

O espírito geométrico é, na verdade, uma espécie de ganga da vida espiritual, o desperdício que fica de um grande esforço. A vida espiritual não é abstracção, redução do real a uma estrutura racional. Pelo contrário, toda a vida espiritual é encarnação, um fazer descer o espírito na carne, no corpo, para que este se torne espírito e se erga. Contrariamente ao que o senso comum pensa, o cristianismo, ao fazer descer sobre eles o espírito, salvou o corpo e a carne do anátema que o mundo antigo sobre eles tinha lançado.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Poemas do Viandante (655)

Franz Marc - Foxes (1913)

655. no rasto gasto da raposa

no rasto gasto da raposa
odores de névoa
e naftalina
a casa antiga batida
pelo chamamento
da zorra
a pele árdua
encravada no tacto
ou no tecto
se regouga uma voz
de mulher
                na voz da raposa
ou no rosnar da rosa

(14/12/2016)

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Da dificuldade

Chris Killip - Cookie in the Snow, Seacoal Beach, Lynemouth, Northumberland, UK, 1991

Onde não existem condições adversas não há vida espiritual. Seja em que dimensão for, a ascese não é um exercício de invenção de dificuldades, mas uma resposta com que o espírito enfrenta a adversidade da via. Tudo se resume na palavra de Platão: o belo é difícil.

domingo, 15 de outubro de 2017

Hesitação

Deborah Turbeville - Women in The Woods, Isabella and Elle in Blumarine, VOGUE Italia, Montova, Italy, 1977

Por vezes, os corpos hesitam numa terra de fronteira, indecisos se hão-de revestir-se com a densidade da carne ou com a imponderabilidade do espírito. Nessas alturas, são apenas uma promessa. Promessa que eles não sabem de quê nem se poderão cumpri-la. Hesitar é, então, toda a sua natureza e toda a potência do seu ser.

sábado, 14 de outubro de 2017

Meditação breve (51) - O espírito de colmeia

Robert Delaunay - A cidade (1911)

Diz-se que as cidades são o espaço onde emerge a liberdade. Se as olhamos, porém, com atenção, descobrimos que não é a liberdade que ali triunfa, mas a pura necessidade, o mais estrito e duro espírito de colmeia.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Haikai urbano (22)

Sebastião Salgado - Church gate station, 1995

Partir e chegar
no ruído da estação.
Respira a cidade.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Poemas do Viandante (654)

Wassily Kandinsky - First Abstract Watercolor (1910)

654. na aguarela da memória

na aguarela da memória
zunem abelhas
tricotadas
com as agulhas do tempo
balem rebanhos
no guindaste
da infância
arpejam dedos
as cordas
da harpa do coração

(14/12/2016)

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Haikai do Viandante (339)

Kitaoka Fumio - Unknown - White-Barked Trees (1976)

Árvores despidas
reflectem a luz da luz.
Solidão de Inverno.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Da imaginação

Fritz Henle, The Diver, Las Delicias, Taxco, 1943

Os anjos nasceram de uma conspiração da imaginação contra a terrível gravidade. Aquilo que sujeita o corpo dos homens gera uma revolta do espírito. Umas vezes, este usa a imaginação para resolver tecnicamente a sujeição; outras, deixa-a flutuar no imponderável, para que ela distribua sobre os homens as suas graças. Estas não quebram a sujeição do corpo, mas comprazem o espírito dando-lhe a ver a sua natureza.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Olhar

Fritz Henle - Portrait between leaves (1946)

Olhar é um exercício que exige uma longa, e nunca terminada, aprendizagem. É uma das mais difíceis disciplinas do espírito humano. Podemos deter-nos perante esta fotografia e perguntar: o que se vê nela? Há quem veja um rosto de mulher entre folhas. Há quem veja o acolhimento que a natureza dispensa aos seres humanos. Há quem veja a secreta identidade entre a mulher e as folhas, o reconhecimento em que uma e outras se descobrem irmanadas.

domingo, 8 de outubro de 2017

Máscara

György Kepes - Juliet, 1937

Nesta fotografia de György Kepes, o que perturba o espectador não é a máscara que, na sua complexidade, cai sobre o rosto de Juliet. Perturbante é a severidade dos lábios que são dados a ver. É esta perturbação que leva à questão crucial: o que oculta uma máscara? Ingenuamente, pensa-se que é um rosto. Olhando aqueles lábios, porém, percebe-se que toda a máscara oculta o espírito, que ela faz parte da luta para que invisível não se torna, por algum descuido, visível.

sábado, 7 de outubro de 2017

Poemas do Viandante (653)

Franz Marc - Fighting Forms (1914)

653. formas fluidas flutuam

formas fluidas lutam
na arena da tela
urram e rugem
vozeiam
no logro
                da lástima
no calor
                da contenda
no dolorido
                da dor

(14/12/2016)

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Uma dura negociação

Heinz Held - Karneval in Köln, Köln, Germany, Date Unknown

Há nesta fotografia uma captação do espírito de Carnaval absolutamente surpreendente. Habituados à exuberância do Carnaval brasileiro, ao seu falso erotismo, à sua aparente ruptura com a ordem, há muito deixámos de perceber a essência dessa embriaguez do espírito. E ela está toda nesta fotografia. A contenção irónica das faces deixam já entrever um fundo bem mais desconcertante, inusitado e perigoso. Na marcha dos foliões, esse fundo manifesta-se e reflui sobre si mesmo, hesita entre o caos que anuncia e a ordem onde acabará por ser reabsorvido. O Carnaval, na verdade, não é mais do que uma dura negociação entre a face dionisíaca e a face apolínea do espírito.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Meditação breve (50) - Luz e trevas

René Burri - Tower by Luis Barragán (pictured in doorway), Mexico City. 1969

O fascínio provocado pelas trevas é tão grande quanto o provocado pela luz. Se o caminho das trevas apenas pode ser tomado sob o efeito desse fascínio, o caminho da luz impõe uma longa purificação da consciência fascinada.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Meditação breve (49) - Destruições

Salvador Soria - Integración de lo destruido 91-RR (1991)

Pensa-se a vida espiritual como uma existência dispensada do conflito e da destruição que lhe é subsequente. Puro equívoco. O caminho do espírito é um exercício de contínuas destruições. Destruição das veleidades pessoais, da consideração de si, das ilusões do desejo. E a cada destruição, o espírito integra, como a mais profunda riqueza, os destroços que semeou na sua caminhada.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Haikai do Viandante (338)

Pierre TAL COAT - Déchiré profond, 1972

Um golpe profundo
no fundo do corpo morto.
Um grito ecoa.