domingo, 28 de maio de 2017

Viagem para si

Will Faber- Buscándome a mí (1968)

Buscar-se a si mesmo é como a tarefa de retorno de Ulisses à pátria. Múltiplos são os obstáculos que, durante a vida, se interpõem no caminho daquele que empreende a viagem de regresso si. Muitos nem se apercebem que há uma viagem a fazer. Outros soçobram no caminho vítimas de ilusões. Por fim, há os que empreendem a viagem para Ítaca, sabendo-a sempre ali e sempre distante. Sabendo que a Ítaca que encontram, sendo real, ainda é uma imagem e um símbolo da Ítaca a devem chegar. Descobrem que a viagem é infinita.

sábado, 27 de maio de 2017

Poemas do Viandante (632)

Eduardo Gruber - Bajos Fondos (1990)

632. o fundo salitrado da noite

o fundo salitrado da noite
ruge-me nos dedos
se toco a parede
e grãos de areia
e cal deslizam
pelas horas
na praia de poeira
na simetria de salitre

(11/12/2016)

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Mundos voláteis

Toni Schneiders - Karussell, Dom von Hamburg, sd

Mundos voláteis manifestam-se, por breves instantes, e logo desaparecem. Aquilo a que chamamos mundo talvez seja apenas esta volatilidade. Instantes de manifestação, como se fosse uma hierofania, para logo soçobrar no não manifestado.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Haikai urbano (13)

Alfred Ehrhardt, Lauben am altstädter Ring, Prag, Böhmen und Mähren, 1941

na cidade velha
arcadas, sombras, segredos
homens em silêncio

terça-feira, 23 de maio de 2017

Caminho

Hiroshi Sugitomo - Strait of Gibraltar, 1996

A linha que separa é também a que une. Quando se diz a linha do horizonte, o pensamento abre-se a uma dupla experiência, a do discernimento das diferenças ou a da fusão na identidade. Nestas duas experiências encontram-se três caminhos para o homem. A da especialização numa diferença, a da imersão muda no idêntico, a da tensão contínua entre o diferente e o idêntico. A cada um o seu caminho.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Poemas do Viandante (631)

Yves Klein - Vent Paris-Nice (COS 10) (1960)

631. o vendaval de neve

o vendaval de neve
desliza
nas escamas
da memória
murmúrio de sedas
no veludo
do tempo
água-forte que traça
figuras enlouquecidas
                no bronze
das estátuas
                               ou das estrelas

(10/12/2016)

domingo, 21 de maio de 2017

Pobres e ricos em espírito

Jill Freedman, Richest man in the world, 1970s

Na vida material, aquele que move a generalidade dos seres humanos, a riqueza reside no acumular. Na vida espiritual, pelo contrário, a verdadeira riqueza é pobreza. Reside no abandonar. Abandonar inclusive aquilo de que o espírito se apropriou e toma como propriedade sua. Um espírito que é proprietário, mesmo que seja apenas e só de bens espirituais, é um espírito submetido à lógica do mundo material, às regras do mercado. Só se tornará efectivamente rico quando se despir de tudo isso e se tornar um pobre de espírito, um sem-abrigo que não espera nada e vive para cada instante que a vida lhe concede, .

sábado, 20 de maio de 2017

O sonho

René Burri - Town of Shanghai, China, 1989

Era um sonho recorrente, daqueles que persistem ao longo da vida. Um quarto, um televisor e nele um rosto, parte de um rosto, para ser mais preciso, onde se abria um olho. Observava-me e seguia os meus passos dentro do quarto. Sentia incómodo, mas não medo. Não sei se o sonho era demorado, parecia-me que durava uma eternidade, até que acordava e não havia olho, rosto ou sequer um televisor. Nunca tive uma televisão. Até hoje, até agora que acordei e você está aí a olhar-me. Reconheço bem o olho que me espiou, o corte de cabelo que eu percebia no sonho e nada explica o que faz um televisor de ecrã estilhaçado no meu quarto.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Meditação breve (31) - Esperança

Pete Turner - New Dawn, Heimaey, 1973

O momento em que o dia irrompe é sempre o símbolo de uma esperança. A exuberância da luz rasga o véu da escuridão e anuncia aos homens um novo começo, e a esperança não é mais do que isso, o desejo de um novo começo, a possibilidade do inédito a redenção pelo retorno à inocência.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

As mãos

Stephan Vanfleteren

Eis as minhas mãos. São assim, já não me lembro como foram. Como eram pequenas e cresceram acompanhando o ritmo do corpo, não o sei. Tornaram-se poderosos, diz-me a memória que resta. Pegaram no mundo e ergueram-no, tocaram em corpos que enlouqueceram, imagino. Agora são um mar de rugas, a pele gasta, uma vontade de inércia. Dantes, guiavam-me, iam sempre à minha frente. Hoje não sei o que fazer com elas. Olho-as, mas não sinto nostalgia. Dizem-me que elas teriam muito a contar. Talvez, mas a verdade é que quase não me lembro. São apenas umas mãos escavadas pela enxada do tempo.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Poemas do Viandante (630)

Yves Klein - Anthropométrie suaire sans titre  (ANT SU 3) (1960)

630. a borboleta desce

a borboleta desce
miraculada
de cores
no alvéolo branco
do ciúme
e estende a teia
aos amantes
no vinho ébrio
borboletado
de janeiro a janeiro

(10/12/2016)

terça-feira, 16 de maio de 2017

Haikai urbano (12)

John Atkinson Grimshaw - Liverpool Docks, 1880s

navios do passado
chegam na luz do futuro
cidade de sombra

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Olhares

Unknown Photographer - The first day of school, Portugal, 1936

A escola é, muitas vezes, um treino sistemático para aprender olhar para baixo, como se todo o interesse dos homens estivesse na terra. Por vezes, alguém ousa olhar para cima e é nesse momento e nesse gesto que o homem adquire rosto, onde se manifesta o espírito, e um outro sentido para a vida se torna manifesto.

domingo, 14 de maio de 2017

Meditação breve (30) - Ser

Barbara Brändli - Untitled, from Sistema Nervioso (1974-5)

Não basta ser, é preciso querer ser. Não basta querer ser, é necessário afirmá-lo e inscrevê-lo na realidade. Um facto que se torna projecto para se tornar ser.

sábado, 13 de maio de 2017

Os caminhos do espírito

 Francis Wu - Shellfish Catching at Dawn, undated

Basta uma simples fotografia de uma actividade material para se perceber que a vida do espírito possui múltiplos caminhos. Antes das sendas singulares, estão vias mais gerais, a que se dá o nome de culturas. Estas conferem enquadramento e sentido para a aventura individual. O caminho espiritual, seja em que área for, é sempre um processo de singularização. As culturas mais do que dispositivos de diferenciação são meios de intermediação entre o universal e o singular.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Poemas do Viandante (629)

Lucio Muñoz - 7-86 (1986)

629. o pó da penumbra

o pó da penumbra
levanta-se
e trémulo deixa
entrever
o açafrão da paisagem
na rota rasgada
pelo tímido tremor
da chuva de novembro

(10/12/2016)

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Haikai do Viandante (324)

Gustave Le Gray - Groupe de Navires - Cette, Mediterranée (1857)

silêncio no porto
são águas da primavera
os navios parados

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Sombras

Loomis Dean: Women modeling apres-ski fashions designed by Fred Spillman cast long shadows on the Palace Hotel’s ice rink. St. Moritz, Switzerland, 1958

Acha curiosa a fotografia? Tem razão, claro. Ela merece o nosso olhar atento, mas não é por aquilo que somos levados a pensar. A beleza das mulheres, a luz e a projecção de grandes sombras sobre a superfície gelada. Em tudo isso, há um estranho equívoco. Os nossos hábitos não nos deixam perceber a realidade. Estas sombras já estavam impressa no gelo há muito. Sempre que a havia luz, eram visíveis. Até que um dia, juro que o vi, começaram a formar-se estranhas estátuas de gelo, quando estavam completamente formadas, ouvi vozes. Falavam entre si. No dia seguinte, quando a luz voltou, elas lá estavam. De carne e osso. Aquelas mulheres, tão vivas, são sombras das próprias sombras.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Haikai urbano (11)

Alexey Titarenko - Untitled, (White Dresses), St. Petersburg, Russia (1995)

no vazio da rua
passeiam dois anjos brancos
os homens esperam

segunda-feira, 8 de maio de 2017

A fuga

Heinrich Kuhn

Ficava longas horas a olhar as águas do lago. Não pensava em nada, olhava e entregava-me a um estranho sentimento de nostalgia. Sempre que ali estava, dentro de mim nascia a certeza de que há muito eu teria habitado o lago. Quero dizer: o lago teria sido a minha casa e a água o meu elemento. Com o passar das horas, o sentimento transformava-se em convicção e uma estranha evidência crescia em mim. Então, levantava-me e corria para casa. Um dia ouvi, vinda do fundo, do lago a voz da minha mãe, morta há muito. Chamava-me para casa. Levantei-me e ainda dei uns passos em direcção à água. O crocitar de um corvo, contudo, fez-me parar. Fugi, é essa a palavra, e nunca mais voltei.

domingo, 7 de maio de 2017

Poemas do Viandante (628)

Lucio Muñoz - 22-84 (1984)

628. um lago secreto desliza

um lago secreto desliza
sob pedras
de mármore
respira a textura
da escuridão
rumoreja junto
ao abismo aberto
na líquida luz do aluvião

(10/12/2016)

sábado, 6 de maio de 2017

A fresta

Gilbert de Chambertrand - Paris Street, 1930s

De que se fala quando se fala de vida espiritual? Essencialmente de três coisas. De busca, de fresta e de luz. Ao homem foi dado, como circunstância da sua vida, o reino da sombra. Por vezes, afunda-se nas trevas exteriores ou interiores. A vida espiritual, porém, é a busca sem fim da fresta, uma pequena fresta, por onde a luz possa entrar na sua vida. Se a queda nas trevas é o apagamento de todo o sentido, a busca de uma fresta por onde a luz possa penetrar é a viagem incerta para a terra do sentido e da significação. O que dá sentido a uma existência? Qual a sua significação?

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Meditação breve (29) - Máscara

Herb Ritts - Mask, Hollywood, 1989

Na máscara, encontramos não um disfarce mas o verdadeiro rosto de quem a usa. Sem ela, tudo o que se dá ao olhar é equívoco ou, para ser mais exacto, suspeito.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Haikai do Viandante (323)

Rockwell Kent - Admiralty Inlet (1922)

secreta enseada
onde os meus olhos se perdem
um resto de inverno

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Meditação breve (28) - Do lugar

Marcelo Montecino - Untitled, Santiago, 1970

O drama de ser posto a um canto. E todo este drama nasce de se se julgar merecedor de ocupar o centro, da ilusão que há uma diferença entre centro e periferia, da ilusão que o nosso lugar é onde todos nos vejam, não se percebendo que é bem mais importante ver do que ser visto.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Poemas do Viandante (627)

Francisco Soto Mesa - 9-98-1 (1998)

627. ondas de seda

ondas de seda
desdobram-se
no segredo das glicínias
rolam na rua
e esperam
na luz do castiçal
o relâmpago do remorso

(10/12/2016)

segunda-feira, 1 de maio de 2017

A conjura dos espelhos

Deborah Turbeville - For Rochas, France, circa 1985

Sempre me irritou a conjura dos espelhos. Até hoje. Na infância, pensei que eram fruto da magia de algum poderoso feiticeiro, o que mais poderiam ser? Esse estranho hábito de duplicar quem passava na frente deles tornava-os um objecto que não pertencia, não podia pertencer, a este mundo. Mais tarde, talvez levada pela educação científica que todos somos obrigados a suportar, esse encanto foi substituído pela irritação. Odiava ver-me duplicada. Hoje, porém, tudo se alterou. Quebrei o espelho. Atónita, vi-me sair de dentro dele e dirigir-me para mim mesma. Ainda não sei o que hei-de de me dizer.

domingo, 30 de abril de 2017

Das sensações

Eugene Hutchinson - Hands (Texture) - (anos 1940s)

Condicionadas por filosofias como as de Platão ou, na Idade Moderna, de Descartes, algumas concepções da vida espiritual ocidentais desprezam a dimensão corporal do espírito e com elas a própria natureza espiritual das sensações. É através das sensações, porém, que o mundo se abre em símbolos para o homem e que o próprio homem se simboliza a si mesmo. E sem essa dimensão simbólica não há vida espiritual possível.

sábado, 29 de abril de 2017

Haikai do Viandante (322)

Don Hong-Oai, Winter Fog, Vietnam, 1974.

neblinas de inverno
semeiam sombras nas águas
a infância passa

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Silhuetas

Ruth Orkin - Central Park South silhouette. New York  (1955)

Estamos convencidos de que vemos, se os olhos funcionam e há luz suficiente, as coisas como elas são. E se aquilo que vemos não passar de silhuetas, perfis desenhados a carvão sobre a sombra? Como interpretar essas silhuetas? Será que precisamos de tornar a visão ainda mais aguda através de lentes cada vez mais potentes? Esse estratagema, porém, apenas nos devolve novas e novas silhuetas, como se estas insistissem em dizer que são símbolos não para a visão mas para a meditação sobre o mistério que habita cada coisa que se torna presente aos homens.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Poemas do Viandante (626)

José Julio - Galaxia (1961)

626. uma galáxia move-se

uma galáxia move-se
na primavera dos espaços
errante
arrasta restos
de cometas
na órbita de estrelas
e em combustão
declina
se um quasar delira
no tumulto do outono

(09/12/2016)

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Meditação breve (27) - Levitação

Manuel Quejido - 24 Levitaciones (1972-73)

A levitação é um sonho de negação da realidade. Anular a gravidade e elevar-se acima da sua condição é o desejo de quem quer fugir àquilo que é.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Haikai urbano (10)

Christine de Grancy - View from the roof of the Parliament onto the eight four-horse carriages led by Nike, the goddess of Victory

a deusa alada
corre em busca da vitória
a cidade dorme

segunda-feira, 24 de abril de 2017

O espelho da incerteza

Duane Michals - da série Heisenberg’s Magic Mirror of Uncertainty (1988)

Durante anos olhava-me ao espelho para me certificar, diria cartesianamente, da minha existência, da minha identidade e, confesso, da minha beleza. Sentia-me reconfortada na evidência de mim mesma. Até que uma manhã a imagem que vi deixou-me perplexa mais do que assustada. Não, não era bonito aquilo que via. Esperei até à manhã seguinte. Nova perplexidade, pois uma outra imagem de mim, me era oferecida. Melhor uma outra deformação. A imagem que tinha de mim, assente numa lenta transformação introduzida pelo tempo, desapareceu. Nunca sei o que sou e como me pareço, e tenho de arrastar essa incerteza dia após dia. Não, não tenho coragem de quebrar o espelho.

domingo, 23 de abril de 2017

Meditação breve (27) - Passado

Kurt Hielscher - Windmills in Dobrogea or Basarabia, Romania/Bulgaria (circa 1930s)

A simplicidade e beleza do passado reside tanto no facto dele ser passado como, na sua generalidade, em nos ter dispensado de o viver e suportar o seu peso e a corveia que nos imporia.

sábado, 22 de abril de 2017

Poemas do Viandante (625)

Adolph Gottlieb - Figuraciones de estruendo (1951)

625. ondas de cera tecem

ondas de cera tecem
cisnes no estrondo
do silêncio
e desenham
asas de seda
e topázios vivos
no vidro despovoado
de sombra e assombro

(09/12/2016)

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Meditação breve (26) - Refugiados

Dorothea Lange - Children of [Dust Bowl] refugee families (1938)

Refugiado não é uma situação transitória, mas a condição do próprio homem. Transitória é a percepção que os homens têm de que são, efectivamente, refugiados e nada mais que refugiados.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Haikai do Viandante (321)

Gao Qipei  - Schildering (1700 - 1750)

arbustos no lago
sombras verdes na água azul
um pato emudece

quarta-feira, 19 de abril de 2017

A variação de mim

Gjon Mili - Nude Descending a Staircase (1949)

Na verdade, não creio que Pessoa tenha razão. Não somos habitados por múltiplos eus, dos quais se possa até estabelecer uma biografia autónoma. O eu compõe-se antes de uma multiplicidade sem fim de posições que unificamos com a cola da memória e a férrea corrente da razão. Eu não sou vários. Sou antes a contínua variação de mim mesmo.

terça-feira, 18 de abril de 2017

O anjo da montanha

Robert Doisneau - The Cellist (1957)

Conheci-o num bar de Paris, daqueles que infestavam a Rive Gauche. Bebia, solitário, uma cerveja. O que me chamou a atenção não foi a sua solidão. Quem é que, naqueles dias e naqueles lugares, não era solitário? Meti conversa com ele levado pelo seu ar, como hei-de dizer, diáfano. A luz atravessava-o. Disse-me que era um anjo, o anjo da montanha. Ri-me e ele sorriu da minha incredulidade. O que faz, perguntei-lhe. Sempre que a humanidade está em perigo, subo ao cimo da montanha e toco o meu violoncelo, respondeu. E resulta? Ele olhou-me, irónico, e perguntou-me: terá a humanidade sido extinta?

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Poemas do Viandante (624)

Markus Luepertz - Estilo: Tres cuadros sobre la creación de la Tierra. II. La noche (1977)

624. a morte chega a galope

a morte chega a galope
de uma esfera
de bronze
toldada de inocência
potro de feltro
abandonado
em prado de prata
                triste
transfiguração da tristeza

(09/12/2016)

domingo, 16 de abril de 2017

Estou aqui

Milton Greene - Lauren Hutton (1966)

Este cheiro a terra, de onde virá ele? Que coisa estranha, tenho braços e pernas, mãos e respiro. Como cheguei aqui? E este odor a terra que me penetra e não me larga. Esqueci o meu nome. Eu sei que, um dia, tive um nome e uma casa, filhos e marido. Depois, depois, veio uma escuridão. Que densa escuridão, inexplicável, silenciosa. E nessa escuridão já não tinha corpo e o esquecimento levou as saudades da família, da casa, de tudo. E agora estou aqui e tenho um corpo vivo e um cheiro a terra que não sei de onde vem, um cheiro que parece diluir-se. Estou aqui, mas não sei onde, nem de onde vim, nem quem sou. Estou aqui.

sábado, 15 de abril de 2017

O pintor de flores

John Yardley - Painting flowers

É o que me resta. Foi um longo caminho para chegar aqui. Está surpreendido? Imagino. Era um homem do mundo. Viajava e entregava-me, não sem êxito, à acção. Sabe tudo isso. Não calcula, porém, como era fastidiosa a minha vida. Então, decidi apagar-me lentamente. Esquecia-me dos outros para que se esquecessem de mim. É uma estratégia de êxito assegurado. O que faço? Compro flores e, depois de as contemplar, pinto-as. Falo com elas e elas respondem-me. Está enganado, não são naturezas mortas, são retratos o que faço, é a alma das flores, o seu espírito que fixo na tela. Em silêncio, elas agradecem-me.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Haikai Urbano (9)

Sebastião Salgado - Ho Chi Minh City, Vietnam, 1995

janelas rasgadas
em cimento e solidão
sonhos luz e dor

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Meditação breve (25) - Voltar a casa

Abram Efimovich Arkhipov - On the Way Home (1896)

De certa maneira, todos os seres humanos são uma espécie de Ulisses. Tudo o que fazem ou deixam de fazer tem por finalidade voltar a casa, mesmo aqueles que nunca a abandonaram.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Poemas do Viandante (623)

Manuel Rivera Hernandez - Espejo de doble amanecer (1964)

623. vem manhã perdida

vem manhã perdida
no amanhecer
vem rosto de sal
e mãos de música
espelhar-te
no espelho esquivo
da madrugada

(09/12/2016)

terça-feira, 11 de abril de 2017

Haikai do Viandante (320)

Paul Joseph Constantin Gabriël - Casas rurais junto à água na névoa da manhã

névoas matinais
caem na terra sonâmbula
segredo e saudade

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Uma carta

Johannes Vermeer - Woman Reading a Letter (1663)

Leio e releio. E o que posso dizer? Conto a distância que nos separa, essa distância que vem através das letras com que as palavras são compostas, para nos sublinharem tudo o que nos afasta, mesmo que o que nos afasta seja a lonjura que há entre ti, aí tão longe, e mim. Com estas palavras descubro o espaço e com ele componho o teu exílio e a minha solidão. Chega um papel tracejado a tinta e os cães da saudade, em vez de se calarem, ladram desvairados dentro do peito. Leio e releio e não sei o que possa escrever, não sei como açaimar os animais que me devoram a noite. Leio e rasgo a carta. Talvez assim possa esquecer-me de mim.

domingo, 9 de abril de 2017

No boudoir

Leni Junghans - In the boudoir (c. 1940)

Não, não. O que me apetece mesmo é despir-me, livrar-me da roupa, tirar os sapatos. Nua, completamente nua. Seria engraçado se aparecesse na recepção sem roupa. Um êxito. Correriam a cobri-me? Arrastar-me-iam dali para fora? Seria uma boa ideia. Já não suporto aquela gente e tenho de sorrir, quando me apetece fazer caretas. Teriam a coragem de fingir que estava vestida? Quem sabe? Mostrar-lhes os seios, os pêlos púbicos, o corpo na pura luz. Obrigá-los a fingir que não viam o que viam. Obrigá-los a disfarçar o desejo. Cegá-los. Se tivesse coragem, talvez chegasse a ser feliz.

sábado, 8 de abril de 2017

Meditação breve (24) - Velocidade

Autor desconhecido - Race car mechanic (1958 )

É indiferente se vivemos a vida segundo o signo da imobilidade ou o da grande velocidade. Não somos nós que passamos pela vida. É ela que passa por nós e, inexoravelmente, nos abandona, independentemente da velocidade com que nos deslocamos nela.