domingo, 30 de abril de 2017

Das sensações

Eugene Hutchinson - Hands (Texture) - (anos 1940s)

Condicionadas por filosofias como as de Platão ou, na Idade Moderna, de Descartes, algumas concepções da vida espiritual ocidentais desprezam a dimensão corporal do espírito e com elas a própria natureza espiritual das sensações. É através das sensações, porém, que o mundo se abre em símbolos para o homem e que o próprio homem se simboliza a si mesmo. E sem essa dimensão simbólica não há vida espiritual possível.

sábado, 29 de abril de 2017

Haikai do Viandante (322)

Don Hong-Oai, Winter Fog, Vietnam, 1974.

neblinas de inverno
semeiam sombras nas águas
a infância passa

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Silhuetas

Ruth Orkin - Central Park South silhouette. New York  (1955)

Estamos convencidos de que vemos, se os olhos funcionam e há luz suficiente, as coisas como elas são. E se aquilo que vemos não passar de silhuetas, perfis desenhados a carvão sobre a sombra? Como interpretar essas silhuetas? Será que precisamos de tornar a visão ainda mais aguda através de lentes cada vez mais potentes? Esse estratagema, porém, apenas nos devolve novas e novas silhuetas, como se estas insistissem em dizer que são símbolos não para a visão mas para a meditação sobre o mistério que habita cada coisa que se torna presente aos homens.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Poemas do Viandante (626)

José Julio - Galaxia (1961)

626. uma galáxia move-se

uma galáxia move-se
na primavera dos espaços
errante
arrasta restos
de cometas
na órbita de estrelas
e em combustão
declina
se um quasar delira
no tumulto do outono

(09/12/2016)

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Meditação breve (27) - Levitação

Manuel Quejido - 24 Levitaciones (1972-73)

A levitação é um sonho de negação da realidade. Anular a gravidade e elevar-se acima da sua condição é o desejo de quem quer fugir àquilo que é.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Haikai urbano (10)

Christine de Grancy - View from the roof of the Parliament onto the eight four-horse carriages led by Nike, the goddess of Victory

a deusa alada
corre em busca da vitória
a cidade dorme

segunda-feira, 24 de abril de 2017

O espelho da incerteza

Duane Michals - da série Heisenberg’s Magic Mirror of Uncertainty (1988)

Durante anos olhava-me ao espelho para me certificar, diria cartesianamente, da minha existência, da minha identidade e, confesso, da minha beleza. Sentia-me reconfortada na evidência de mim mesma. Até que uma manhã a imagem que vi deixou-me perplexa mais do que assustada. Não, não era bonito aquilo que via. Esperei até à manhã seguinte. Nova perplexidade, pois uma outra imagem de mim, me era oferecida. Melhor uma outra deformação. A imagem que tinha de mim, assente numa lenta transformação introduzida pelo tempo, desapareceu. Nunca sei o que sou e como me pareço, e tenho de arrastar essa incerteza dia após dia. Não, não tenho coragem de quebrar o espelho.

domingo, 23 de abril de 2017

Meditação breve (27) - Passado

Kurt Hielscher - Windmills in Dobrogea or Basarabia, Romania/Bulgaria (circa 1930s)

A simplicidade e beleza do passado reside tanto no facto dele ser passado como, na sua generalidade, em nos ter dispensado de o viver e suportar o seu peso e a corveia que nos imporia.

sábado, 22 de abril de 2017

Poemas do Viandante (625)

Adolph Gottlieb - Figuraciones de estruendo (1951)

625. ondas de cera tecem

ondas de cera tecem
cisnes no estrondo
do silêncio
e desenham
asas de seda
e topázios vivos
no vidro despovoado
de sombra e assombro

(09/12/2016)

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Meditação breve (26) - Refugiados

Dorothea Lange - Children of [Dust Bowl] refugee families (1938)

Refugiado não é uma situação transitória, mas a condição do próprio homem. Transitória é a percepção que os homens têm de que são, efectivamente, refugiados e nada mais que refugiados.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Haikai do Viandante (321)

Gao Qipei  - Schildering (1700 - 1750)

arbustos no lago
sombras verdes na água azul
um pato emudece

quarta-feira, 19 de abril de 2017

A variação de mim

Gjon Mili - Nude Descending a Staircase (1949)

Na verdade, não creio que Pessoa tenha razão. Não somos habitados por múltiplos eus, dos quais se possa até estabelecer uma biografia autónoma. O eu compõe-se antes de uma multiplicidade sem fim de posições que unificamos com a cola da memória e a férrea corrente da razão. Eu não sou vários. Sou antes a contínua variação de mim mesmo.

terça-feira, 18 de abril de 2017

O anjo da montanha

Robert Doisneau - The Cellist (1957)

Conheci-o num bar de Paris, daqueles que infestavam a Rive Gauche. Bebia, solitário, uma cerveja. O que me chamou a atenção não foi a sua solidão. Quem é que, naqueles dias e naqueles lugares, não era solitário? Meti conversa com ele levado pelo seu ar, como hei-de dizer, diáfano. A luz atravessava-o. Disse-me que era um anjo, o anjo da montanha. Ri-me e ele sorriu da minha incredulidade. O que faz, perguntei-lhe. Sempre que a humanidade está em perigo, subo ao cimo da montanha e toco o meu violoncelo, respondeu. E resulta? Ele olhou-me, irónico, e perguntou-me: terá a humanidade sido extinta?

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Poemas do Viandante (624)

Markus Luepertz - Estilo: Tres cuadros sobre la creación de la Tierra. II. La noche (1977)

624. a morte chega a galope

a morte chega a galope
de uma esfera
de bronze
toldada de inocência
potro de feltro
abandonado
em prado de prata
                triste
transfiguração da tristeza

(09/12/2016)

domingo, 16 de abril de 2017

Estou aqui

Milton Greene - Lauren Hutton (1966)

Este cheiro a terra, de onde virá ele? Que coisa estranha, tenho braços e pernas, mãos e respiro. Como cheguei aqui? E este odor a terra que me penetra e não me larga. Esqueci o meu nome. Eu sei que, um dia, tive um nome e uma casa, filhos e marido. Depois, depois, veio uma escuridão. Que densa escuridão, inexplicável, silenciosa. E nessa escuridão já não tinha corpo e o esquecimento levou as saudades da família, da casa, de tudo. E agora estou aqui e tenho um corpo vivo e um cheiro a terra que não sei de onde vem, um cheiro que parece diluir-se. Estou aqui, mas não sei onde, nem de onde vim, nem quem sou. Estou aqui.

sábado, 15 de abril de 2017

O pintor de flores

John Yardley - Painting flowers

É o que me resta. Foi um longo caminho para chegar aqui. Está surpreendido? Imagino. Era um homem do mundo. Viajava e entregava-me, não sem êxito, à acção. Sabe tudo isso. Não calcula, porém, como era fastidiosa a minha vida. Então, decidi apagar-me lentamente. Esquecia-me dos outros para que se esquecessem de mim. É uma estratégia de êxito assegurado. O que faço? Compro flores e, depois de as contemplar, pinto-as. Falo com elas e elas respondem-me. Está enganado, não são naturezas mortas, são retratos o que faço, é a alma das flores, o seu espírito que fixo na tela. Em silêncio, elas agradecem-me.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Haikai Urbano (9)

Sebastião Salgado - Ho Chi Minh City, Vietnam, 1995

janelas rasgadas
em cimento e solidão
sonhos luz e dor

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Meditação breve (25) - Voltar a casa

Abram Efimovich Arkhipov - On the Way Home (1896)

De certa maneira, todos os seres humanos são uma espécie de Ulisses. Tudo o que fazem ou deixam de fazer tem por finalidade voltar a casa, mesmo aqueles que nunca a abandonaram.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Poemas do Viandante (623)

Manuel Rivera Hernandez - Espejo de doble amanecer (1964)

623. vem manhã perdida

vem manhã perdida
no amanhecer
vem rosto de sal
e mãos de música
espelhar-te
no espelho esquivo
da madrugada

(09/12/2016)

terça-feira, 11 de abril de 2017

Haikai do Viandante (320)

Paul Joseph Constantin Gabriël - Casas rurais junto à água na névoa da manhã

névoas matinais
caem na terra sonâmbula
segredo e saudade

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Uma carta

Johannes Vermeer - Woman Reading a Letter (1663)

Leio e releio. E o que posso dizer? Conto a distância que nos separa, essa distância que vem através das letras com que as palavras são compostas, para nos sublinharem tudo o que nos afasta, mesmo que o que nos afasta seja a lonjura que há entre ti, aí tão longe, e mim. Com estas palavras descubro o espaço e com ele componho o teu exílio e a minha solidão. Chega um papel tracejado a tinta e os cães da saudade, em vez de se calarem, ladram desvairados dentro do peito. Leio e releio e não sei o que possa escrever, não sei como açaimar os animais que me devoram a noite. Leio e rasgo a carta. Talvez assim possa esquecer-me de mim.

domingo, 9 de abril de 2017

No boudoir

Leni Junghans - In the boudoir (c. 1940)

Não, não. O que me apetece mesmo é despir-me, livrar-me da roupa, tirar os sapatos. Nua, completamente nua. Seria engraçado se aparecesse na recepção sem roupa. Um êxito. Correriam a cobri-me? Arrastar-me-iam dali para fora? Seria uma boa ideia. Já não suporto aquela gente e tenho de sorrir, quando me apetece fazer caretas. Teriam a coragem de fingir que estava vestida? Quem sabe? Mostrar-lhes os seios, os pêlos púbicos, o corpo na pura luz. Obrigá-los a fingir que não viam o que viam. Obrigá-los a disfarçar o desejo. Cegá-los. Se tivesse coragem, talvez chegasse a ser feliz.

sábado, 8 de abril de 2017

Meditação breve (24) - Velocidade

Autor desconhecido - Race car mechanic (1958 )

É indiferente se vivemos a vida segundo o signo da imobilidade ou o da grande velocidade. Não somos nós que passamos pela vida. É ela que passa por nós e, inexoravelmente, nos abandona, independentemente da velocidade com que nos deslocamos nela.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Poemas do Viandante (622)

Juan Soriano - Fuegos de artificio (1958)

622. o poeta é um fogo

o poeta é um fogo
que arde
sem se ver
é ferida que finge
tão descontente
que chega a fingir
que é amor
a dor que desatina
e não se sente

(09/12/2016)

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Estar lá

Joshua Benoliel - Praça D. Pedro IV (1910)

Não sei se alguma vez terá feito a experiência. A mim acontece-me sempre que vejo fotos ou mesmo pinturas antigas. Reconheço de imediato o cenário e até as pessoas não me são estranhas. Apossa-se de mim a certeza - inabalável, pode crer - de que as conheço de vista, que passei por elas vezes sem fim. Tem razão, a diferença de épocas não me permite tê-las conhecido, mas está convencido de que isso é razão suficiente para contrariar uma convicção tão íntima e tão profunda? Sim, eu ainda não tinha nascido, mas estava lá, juro-o, quando o fotógrafo montou a máquina e fez a fotografia. Não estamos sempre lá, seja onde for e seja quando for?

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Meditação breve (23) - Deslizar

Frederick Schoch, City Park , Ice Rink, Budapest XIV, Hungary, 1907.

A vida é um caminho, diz-se. Um caminho por onde andamos com passos trémulos. Por vezes, são lentos esses passos. Outras vezes, imitam o galope do cavalo. Importante seria aprender a deslizar suavemente por ela, mesmo que grandes fossem os obstáculos a vencer e as dores a suportar.

terça-feira, 4 de abril de 2017

A rua esquecida

Josef Sudek - Forgotten street (1930)

Era lá que escondíamos os nossos sonhos. Como sabe, todos temos tendência para sonhar. O pior é a realidade. Raramente está disposta a abrir as portas para que os nossos mais autênticos devaneios entrem por ela. Então, pegávamos nos sonhos e íamos escondê-los, talvez por vergonha, naquela rua esquecida, por onde quase ninguém passava. Ficavam lá adormecidos, ao deus-dará, e não havia quem os quisesse roubar. Quando um de nós morria, os outros pegavam nos seus sonhos e, naquelas velhas carretas, levavam-nos a enterrar junto com o morto. Foi assim que os meus sonhos desapareceram.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Haikai Urbano (8)

André Kertész - Ballet, New York (1938)

cisnes na cidade
dançam na cinza das ruas
sombra sobre o lago

domingo, 2 de abril de 2017

Poemas do Viandante (621)

Maria Helena Vieira da Silva - Egipto (1948)

621. sonho um sonho

sonho um sonho
de pirâmides
e águas do nilo
sonâmbulo
caminho
nas areias
e traço com as mãos
vazias
rotas no deserto
e nas ervas do egipto

(09/12/2016)

sábado, 1 de abril de 2017

Alienação

Harold Feinstein - Sharing a Public Bench (1949)

As grandes cidades são máquinas exuberantes de bulício e entusiasmo, onde o espírito se sente não apenas exaurido como, na verdade, estrangeiro. O negativo da condição citadina é o cansaço que despe os homens da sua humanidade e os encerra na penumbra que deles se apossou. A isso se deve chamar, com propriedade, alienação, esse sentimento de se sentir estranho no lugar onde se está e na pele em que se vive,