quinta-feira, 29 de junho de 2017

A espera

Fred Stein - Three Chairs, Paris (1937)

Ainda hoje não creio no que me contaram quando vi, pela primeira vez, as cadeiras vazias. Não seriam eternas, entenda-se, mas durariam tanto quanto a própria humanidade. É difícil de aceitar. Também eu nunca vi ali ninguém sentado. Disseram-me, sem me abalarem o cepticismo, que nelas repousaram Tália, Eufrosina e Aglaia, as três Graças dos antigos gregos. Mais tarde foram o lugar da Fé, da Esperança e da Caridade. Sei pouco de teologia e de mitologia para lhe responder se as Graças e as Virtudes Teologais não seriam a mesma coisa olhadas com outros olhos. Talvez. O que sei é o que vejo e o que vejo é que as cadeiras estão vazias. Esperam.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

O céu estrelado

H. Hirsch - Girl, gazing to the stars (1880)

Olhar as estrelas é a grande experiência humana do confronto com o incomensurável, com o infinto. Este confronto com o desmesurado não nos indica apenas a nossa finitude. Dá-nos a dimensão do desejo que nos habita.

terça-feira, 27 de junho de 2017

A visão pura

Jing Huang - Pure Sight

O olhar sempre me fascinou. Não porque ele permitia discernir uma quantidade sem fim de coisas e de pormenores. Não, pelo contrário. O seu fascínio resultava da frustração, pode crer. Era impossível que, ao olhar fosse o que fosse, não se intrometesse uma espécie de ruído. Claro que treinem longamente os olhos, mas nunca conseguia evitar surpresas. A visão pura foi o graal da minha vida. Encontrei-o? É isso que deseja saber? Foi por acaso. Um dia, estando a olhar o horizonte em busca desse ver puro, fechei os olhos. Talvez estivesse cansado, e persisti nesse fechamento. De súbito, compreendi, tinha encontrado o graal, a visão pura. O que vi de olhos fechados? Nada. Descobri que não havia nada para ver.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Poemas do Viandante (634)

Lee Krasner - Between Two Appearances (1981)

634. de aparência em aparência

de aparência em aparência
visto o avental
de loucura
e componho a gravata
em torno da perfídia
do pescoço
se a voz vozeia
aperto o nó
e espero sentado
o grande veleiro do silêncio

(11/12/2016)

domingo, 25 de junho de 2017

Haikai urbano (15)

Kurt Hielscher - Salt Warehouses, Lübeck, 1931

armazéns de sal
adormecidos nas águas
o tempo flui e pára

sábado, 24 de junho de 2017

Fugas

Jackie Greene, Seminole Park. Model Sailboat Race (1974) 

Há uma tendência para perceber como compensação actividades como aquela que a fotografia nos dá a ver. Não podendo participar em regatas com veleiros a sério, compensa-se a inclinação com corridas de modelos. Se se pensar um pouco mais talvez se faça uma constatação surpreendente. Mais que uma compensação este tipo de actividades mostra-nos a natureza da actividade humana, de grande parte da actividade humana. Na verdade, esta não passa, na generalidade dos casos, de puro divertissement pascaliano, fuga à sua própria e insuportável realidade. A natureza e a dimensão dos modelos são irrelevantes.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

A sombra

Aart Klein - Skater, Holland, 1970s

Padeci desse mal que atormenta muita gente com propensão para a metafísica. Não, não se tratam desses sempre prontos para a arena da argumentação. Essa patologia tem origem diversa. A minha, como a de muitos outros, era fruto das variações sobre o tema quem sou eu? Tem razão, uma patologia musical. Música e metafísica são irmãs, embora já poucos o saibam. Tudo isso, porém, deixou de me interessar. Acertou. Curei-me. A cura? Nasceu da revelação da verdade. Patinava, como todos os anos no Inverno, sobre o lago gelado. De repente, olhei e vi a minha sombra no gelo. Tudo se iluminou. Eu não passava da emanação da minha sombra. Uma sombra de uma sombra, talvez.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Haikai urbano (14)

Robert Doisneau - Place de la Concorde, Paris, c. 1940

manhã de neblina
sobre a praça da concórdia
rumores de inverno

domingo, 11 de junho de 2017

Poemas do Viandante (633)

Manuel Viola - Batalla al amanecer (1979)

633. as labaredas da manhã

as labaredas da manhã
no labor da sombra
deslizam
pela púrpura da noite
e cambaleiam
em céu de cinza
tisnado de escuridão
e cântaros de luz

(11/12/2016)

sábado, 10 de junho de 2017

Haikai do Viandante (325)

Reuben Wu - Light Painting With A Drone

floresta de pedra
sobre o lago do silêncio
luz água e calcário