terça-feira, 21 de agosto de 2012

Poemas do Viandante (334)

334. CHEGUEI AO CENTRO DO MUNDO

Cheguei ao centro do mundo,
a esse ponto secreto
onde um estranho rei,
envolto em brumas e sedas,
governa em palácio de vidro e safiras.

Cheguei ao centro do teu corpo,
ao lugar vazio,
o negro buraco que deglute
a minha luz, pedra
de jade perdida nas ruínas do tempo.

Cheguei ao centro de mim,
ao feroz nada,
pequena pérola selvagem
que ruge na noite
e arde com uma chaga sem fim.