sábado, 4 de agosto de 2012

Poemas do Viandante (319)

319. TENHO A VIDA A SANGRAR, DISSESTE

Tenho a vida a sangrar, disseste
e recolheste o pensamento
sob um véu invisível,
despido de geometria,
pura seda do oriente,
a casa vacilante da infância.

Olho-te na lonjura dos dias
e vejo-te despida
na solidão que cresce,
invade o mundo
e faz ecoar a música
no fundo da tua alma.

Abro os braços para te acolher
e a fronteira de silêncio cede,
abre-se à dança do amor,
as tuas mãos nuas inclinam-se
e a lua reverbera
na constelação da noite.

A vida é uma ilha que sangra,
o lago onde o amor desliza,
sombra silenciosa
que escorre entre os dedos,
se em segredo me olhas
na rebentação das ondas.