sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Poemas do Viandante

220. POEMAS PARA AFRODITE (i)

o olhar aberto
à tua pele
o mar do corpo
à míngua
e trémulo
o ventre
respira-te ao sabor
desta língua

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Poemas do Viandante

219. PROMESSA

os sonhos de água
naquelas noites
de invernia
acodem-me agora
brandos e leves –
promessas
de amor
se chega o dia

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A Igreja e os modernos

Bento XVI, nesta sua viagem à Alemanha, relembra a necessidade de ser firme na fé contra os ventos de secularização e exprime o receio de que na Alemanha o catolicismo se protestantize, deixando ao livre-arbítrio de cada um aquilo em que quer acreditar. Referiu também que a Igreja está demasiado instalada e com pouca espiritualidade. Todos estes temas acabam por ser diversas faces de um mesmo e único problema, o da relação, ainda difícil, entre a tradição católica e a modernidade ocidental. A autonomia da consciência, a valorização da experiência, a capacidade crítica da razão, levantaram um conjunto de obstáculos à transmissão de uma tradição que, muitas vezes, se ancorou na infantilização das consciências, na negação do valor da experiência dos indivíduos e da capacidade crítica da razão. O problema não reside em que cada um acredita no que quer, isso é apenas um sintoma marginal. A questão está na experiência da fé e na entrega ao espírito sentidas como um imperativo que, em cada um de nós, constitui o seu próprio e singular mistério. Talvez a Igreja Católica esteja demasiado instalada porque perdeu o sentido último daquilo que a constitui e o substituiu por uma moralidade e por uma estética de duvidoso gosto. Nós, os modernos, com a cultura da razão que os tempos permitiram, com a autonomia da consciência que se conquistou e com o livre-arbítrio dado por Deus não precisamos tanto da Igreja - a quem manifestamente falta autoridade para falar do assunto - para aconselhamento sobre a moralidade sexual ou a política, mas precisamos de uma Igreja madura na experiência do Espírito, capaz de acolher e orientar o caminho para Deus, sabendo discernir os espíritos, digamos assim. O perigo de secularização não vem do século, mas de dentro das próprias instituições religiosas, onde parece que, há muito, tudo se tornou insípido, vulgar e banal. Basta escutar as homilias das missas dominicais. Como tocar os homens modernos se o discurso é estereotipado, vagamente moralizador, adocicado e onde não há sinal da presença do mistério que faz do homem um ser à imagem e semelhança de Deus?

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Poemas do Viandante

218. TEMPO

a hora avança
traz no seio
a flor nocturna
uma luz
a casa esquecida
os bancos de pedra
sobre o tumulto
desfeito
das águas paradas
do rio

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Poemas do Viandante


217. PODERES

os teus poderes
tão exíguos
balançam
ao vento norte
ressoam
são sinos
nas manhãs frias
se acaba
a primavera

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Haikai do Viandante (5)



nocturno ruído
sobre a alva copa das tílias
dia negro e caído

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Haikai do Viandante (4)



árvore ao vento
como um traço no horizonte
cresce num lamento

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Poemas do Viandante


216. EXÍLIO

contar estrelas
e sob o império
da lua
calcular constelações
pequenos barcos
no mar
a dor do exílio
no descampado
da vida

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Poemas do Viandante


215. SOMBRAS

chega a noite
com o seu manto
de claridade
e as sombras
rosas
de cetim
quando tocadas
pela fímbria
dessa mão

domingo, 11 de setembro de 2011

Haikai do Viandante (3)

Talasnal - Lousã

sol de pedra e xisto
na floresta onde o pássaro
lança mudo o grito

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Poemas do Viandante

214. PLANÍCIE

entardecem
os ramos
da figueira
e o chão sulcado
de formigas
é uma planície
de folhas mortas
sobre o teu corpo
doce e maduro

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Schubert - Jessye Norman: Ave Maria



Ave Maria! Jungfrau mild,
Erhöre einer Jungfrau Flehen,
Aus diesem Felsen starr und wild
Soll mein Gebet zu dir hinwehen.
Wir schlafen sicher bis zum Morgen,
Ob Menschen noch so grausam sind.
O Jungfrau, sieh der Jungfrau Sorgen,
O Mutter, hör ein bittend Kind!
Ave Maria!

Ave Maria! Unbefleckt!
Wenn wir auf diesen Fels hinsinken
Zum Schlaf, und uns dein Schutz bedeckt
Wird weich der harte Fels uns dünken.
Du lächelst, Rosendüfte wehen
In dieser dumpfen Felsenkluft,
O Mutter, höre Kindes Flehen,
O Jungfrau, eine Jungfrau ruft!
Ave Maria!

Ave Maria! Reine Magd!
Der Erde und der Luft Dämonen,
Von deines Auges Huld verjagt,
Sie können hier nicht bei uns wohnen,
Wir woll'n uns still dem Schicksal beugen,
Da uns dein heil'ger Trost anweht;
Der Jungfrau wolle hold dich neigen,
Dem Kind, das für den Vater fleht.

Ave Maria!

Haikai do Viandante (2)

Schubert - Pavarotti: Ave Maria

a luz sobre a terra
flor de seda branca e pura
em si a vida encerra

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Poemas do Viandante

213. OS DIAS DE SETEMBRO

chegaram os dias
de setembro
e os teus olhos
cerram-se
na tarde
esperam ainda
a consolação
essa vida prometida
para sempre
adiada

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Haikai do Viandante (1)

Shakuhachi/Shamisen Duo

um pássaro voa
pedra de espuma e mar
na floresta ecoa

Adão e Eva


Uma simbólica essencial inscreve-se no mito de Adão e Eva. Não dirá tanto respeito à queda, mas à tarefa de ressurreição e de emancipação que se coloca aos seres humanos na sequência da queda. Homem e mulher tornam-se um para o outro caminho, mediação, possibilidade. A consumação da feminilidade de toda a Eva passa pela mediação de Adão e vice-versa, a consumação da virilidade de qualquer Adão passa pela mediação de uma Eva. Talvez o sentido mais profundo da indissolubilidade do matrimónio não resida na proibição da separação dos casais reais, mas na indissolubilidade entre o masculino e o feminino na experiência espiritual.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Poemas do Viandante

212. Floresta (XII)

não há meses
estações
fronteiras
dentro da floresta
apenas traços de água
névoa
as folhas mortas
trazidas pela vida
e o deus
que te espera
no lugar aberto
do coração

domingo, 4 de setembro de 2011

Poemas do Viandante

211. Floresta (XI)

despida disseste
deixa arder
a tua língua
no meu sexo
para que entre em ti
a terra fértil
e obscura
a seiva lenta
a flutuar no fundo
do corpo –
essa lâmpada
acesa
no frio da noite

sábado, 3 de setembro de 2011

Poemas do Viandante

210. Floresta (X)

raízes e ramos
e fetos e folhas
e silvas
as primeiras bagas
correm
como um rio
frágil e puro
da tua
para a água
da minha boca

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Poemas do Viandante

209. Floresta (IX)

o silêncio feito
de ruídos
cresce
ecoa nas folhas
zumbe
na insondável
quietude
de uma flor
ao abrir-se
sobre a terra

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Poemas do Viandante

208. Floresta (VIII)

aves salmodiam
entre ramos
e uma brisa incendeia
nos caminhos
o musgo onde
exaustos
nos sentamos