sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Poemas do Viandante (482)

Bernard Cathelin - Autumn at Les Rebattières (1960)

482. não é tempo de transumância

não é tempo de transumância
no baldio da terra

não é hora de peregrinar
no teu corpo

não é este o instante da viagem
em que te espero

não é ainda o rio da eternidade
onde me aguardas

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Em tremor

Jesús María Cormán - 6.6 Richter scale (2001)

Não, não é a terra que treme, mas o viandante que, na sua viagem, sente, em temor e tremor, a presença inefável do totalmente Outro. Não é o fim do mundo, é apenas o começo, esse princípio que não tem fim, esse fim que não princípio. Não se trata da destruição mas do começo da revelação.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

O outro lado

José Manuel Ruiz-Zarco Perez - Al otro lado, Nº 74

É sempre o outro lado que procuramos, mesmo aqueles que rejeitaram já a tentação do movimento e da mudança ainda é ao outro lado que aspiram. O outro lado, todavia, não está senão naquele lado onde já nos encontramos. O estranho lugar onde somos é, ao mesmo tempo, o mesmo e o outro lado. E não há mais nenhum lado a que se possa ir a não ser aquele onde se está.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

A tradição e o coração

Albert Bloch - The Blind Man (1942)

Deixai-os; são cegos condutores de cegos. Ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova (Mateus 15:14).

Cegos condutores de cegos. Esta referência, sempre tão citada, emerge, segundo Mateus, numa discussão sobre as tradições. O que está em jogo é a distinção entre uma tradição formal e ritualista, a dos escribas e dos fariseus, e uma orientação do coração proposta pelo Cristo. O coração, porém, deve ser entendido num espectro semântico muito mais amplo que o do mero sentimento. Trata-se antes da disposição do espírito e da luz que dele irradia. Quando a luz do espírito é substituída pelo código dos rituais, os homens tornam-se cegos. Eis um debate que preserva toda a sua actualidade.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Repouso e movimento

André Bauchant - Le repos au bord de la route (1932)

Talvez uma das mais fundas e inexplicáveis ilusões da espécie humana resida na distinção, ou mesmo oposição, entre o repouso e o movimento. Esta distinção está na base, por exemplo, da diferenciação entre a acção e a contemplação, entre Marta e Maria. Aquilo que o viandante aprende na viagem, porém, diz-lhe outra coisa, diz-lhe que se deve mover como se estivesse em repouso e repousar como se movesse. Diz-lhe que deve agir contemplando e contemplar como a forma mais elevada de acção. Diz-lhe que Marta e Maria não são duas irmãs, mas apenas uma e a mesma pessoa que acolhe, de múltiplas maneiras, o Cristo em sua casa.

domingo, 26 de outubro de 2014

A norma moral

Paul Ranson - The Blue Room or nude with Fan (1891)

Vivemos tempos em que se confunde - por vezes, de forma obstinada, contumaz, mas quase sempre com tonalidade farisaica - espiritualidade e moralidade. Esta última deriva, como o ensina o étimo latino, da vida social, e acaba por ser uma adequação ao espírito do tempo ou, em muitos casos ditos religiosos, uma rígida fixação em normas sociais abandonadas, mas que um dia operaram e fizeram sentido. A viagem espiritual, porém, não é um exercício moral. Convoca, por certo, a lei, mas não para julgar e punir os homens, mas para os ajudar a seguir o caminho onde aprenderão a despir-se de tudo o que é mundano, incluindo a norma moral.

sábado, 25 de outubro de 2014

Haikai do Viandante (210)

JCM - Pele (2007)

também a árvore
subitamente se despe
o verão espreita-a

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Poemas do Viandante (481)

Theo van Rysselberghe - Femme au Pegnoir Rose (1910)

481. envolver-te com o lençol da noite

envolver-te com o lençol da noite
e ouvir uma palavra

cobrir-te com o desejo do teu desejo
e ver as horas passar

sussurrar-te uma canção esquecida
e aguardar a morte

entregar-te o silêncio do meu corpo
e nada esperar

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Estranhos mapas

Sonia Delaunay - Broderie Feuillages (1909)

Estranhos mapas traz o viandante consigo. Se projectados no mundo, dão a ilusão de uma tapeçaria composta de folhas que o Outono arrancou das árvores e, pelo capricho do vento, ordenou em territórios contíguos. Mas o viandante há muito que descobriu que os mapas que vê para se orientar na viagem são a projecção na vida daqueles com que chegou ao mundo. Tudo aquilo que vê é ainda aquilo que ele traz dentro de sim.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Romper a névoa

JCM - Mitologias (numa manhã de nevoeiro) (2014)

Romper a névoa e ansiar a luz que está para além dela.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Haikai do Viandante (209)

JCM - A night at opera (troncos no jardim botânico) (2008)

no seio do jardim
estranhas formas de vida
esperam por mim

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Acumular e abandonar

Rembrandt - Parábola do homem rico (1627)

E o que acumulaste para quem será? (Lucas 12:20)

Na parábola do homem rico, a qual, como todas as outras, gerou múltiplas interpretações, a pergunta que fica sem resposta - e o que acumulaste para quem será? - é central. Central por ficar em aberto, mas por outro motivo. O tom de censura é nítido e dirige-se muito para a prática da acumulação que não se limita, longe disso, aos bens materiais. Qualquer acumulação, inclusive a de bens espirituais, está aqui posta em cheque. A vida do espírito é o contrário da vida material. A essência desta é a acumulação. Na vida do espírito, a essência é o contínuo abandono, inclusive das ilusões espirituais. Na vida espiritual não se trata de ter, de ter muitas experiências espirituais, de fazer muitas leituras ou de se elevar à erudição e tornar-se um farol da cultura. Trata-se apenas de se despojar da ganga que a vida e a ilusão depositam no espírito do viandante para lhe dificultar a continuação da viagem. Tornar-se pobre em espírito não é outra coisa.

domingo, 19 de outubro de 2014

Paisagens ingénuas

Fernando Botero - Paisagem (2000)

A viagem também se compõe de paisagens ingénuas ou que os olhos do Viandante aprenderam a ver na sua ingenuidade essencial. A experiência de seguir na via, a experiência de responder à voz que nos chama, essas experiências acabam por ensinar a ver, por detrás da complexidade com que o mundo se cobre, a realidade simples e ingénua que agora se dá àquele que, tendo amadurecido, se tornou criança e ri com as peripécias do caminho.

sábado, 18 de outubro de 2014

Derrubar o muro

JCM - Distopia (The Wall) (2007)

O pior na viagem são os muros. Não são apenas divisórias, linhas de fronteira e de fractura de territórios. São formas de oclusão, de fechamento, de incapacidade de perceber os outros. E quem não é capaz de ouvir os outros será capaz de ouvir esse totalmente Outro que fala para lá de todos os muros? Será capaz de discernir o seu chamamento? A viagem é também um derrubar de muros, uma purificação do espaço, um refazer de geografias. Para quê? Para que possamos escutar o outro e na voz desse outro escutar a voz que chama dentro de mim.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Poemas do Viandante (480)

Ferdinand Hodler - Tristeza (1892)

480. ouvir-te na terra triste

ouvir-te na terra triste
da volúpia

e adormecer nos braços
da noite

como se aguardasse
num sonho

a água da tua voz no calor
do verão

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Uma composição

Alexander Mikhailovich - Composição (1943)

Muitas vezes o viandante julga perder-se no caminho. Entra numa senda, depois noutra e ainda noutra. O espírito é tomado pelo pânico que todo o labirinto traz consigo. Tudo isso não passa, porém, de uma questão de perspectiva. Vistos de perto, esses caminhos que se cruzam e bifurcam parecem, de facto, constituir um labirinto, mas se o viandante se dispõe a subir a montanha tudo se apazigua e, com o progresso da subida, começa a ganhar sentido, como se fosse uma deliberada composição.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Haikai do Viandante (208)

JCM - Mitologias (firebird) (2007)

pássaros de fogo
no silêncio do inverno
assim me comovo

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Da função do sonho

Noriko Kiyozuka - Cena de um sonho (1976)

Há duas maneiras bem distintas de considerar o sonho, tomando-o na sua polissemia, na vida espiritual dos homens. Esta pode ser vista como um sonho, no sentido de um corte com a realidade, aquela realidade que se abre aos homens no estado de vigília. Aqui, porém, o sonho toma o sentido de uma utopia, de uma ruptura com o concreto da vida humana. É uma ilusão alienante da situação em que se vive, como se o estado de vigília desse lugar a uma espécie de sonambulismo. Um segundo modo prende-se com a própria actividade onírica. O sonho surge como uma metamorfose da realidade, a qual se constitui em enigma. Esta função enigmática do sonho abre-se à meditação. Melhor, ela apela à meditação para que aquele que medita encontre resposta aos enigmas que ele  a si mesmo coloca. Estes enigmas não são outra coisa do que encruzilhadas no caminho que segue.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Tudo é uno

Kenneth Noland - Caminho interior (1961)

Um dia o viandante descobre a futilidade de dividir a vida em vida do corpo e vida do espírito, em caminho exterior e caminho interior. Não há dois caminhos como não há duas vidas. Tudo é uno. Os passos que dou no mundo são ainda uma aventura do espírito e aquilo que vejo, por objectivo que seja, não deixa de ser a projecção do meu espírito.

domingo, 12 de outubro de 2014

Perdido no nevoeiro

JCM - Mitologias (presenças) (2014)

Perdido no nevoeiro, o viandante sente presenças reais, mas não consegue determinar-lhes os contornos nem descobrir o caminho que seguem. E ele não é diferente dessas presenças. Dias após dia, ano após ano, caminha, mas raramente o nevoeiro se levanta e o caminho se mostra nítido e luminoso. Viver no nevoeiro é o seu estranho destino. Sente presenças reais à sua volta e aspira a que, um dia, a luz rompa a densa muralha da névoa.

sábado, 11 de outubro de 2014

Poemas do Viandante (480)

JCM - Mitologias (passagens) (2014)

480. adormeço no lugar onde

adormeço no lugar onde
estranhas passagens

evocam sobre a água
noites de estio

e com elas o velho sonho
de antigas viagens

de barcos incendiados
no fogo do rio

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Poemas do Viandante (479)

JCM - Mitologias (a luz e as trevas) (2006)

479. deixar o outono destilar

deixar o outono destilar 
ao anoitecer

e cantar o destino avaro 
pelas ruas

deixar que o perfume desça
ao amanhecer

e as minhas mãos se abram
nas tuas

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Algumas questões cruciais

JCM - Black & White Dreams, Belmonte (2008)

Será o cristianismo, como pretende Nietzsche, uma forma de ressentimento e uma negação da vida? Esta pergunta tem outra como resposta. Como poderia uma religião negadora da vida criar a civilização com maior vitalidade e onde a vida foi mais exuberante na sua afirmação e nas suas realizações? E a esta pergunta duas outras se devem juntar. Como pôde um símbolo de morte, a cruz, tornar-se semente de vida, criatividade e realização existencial plena? Como compreender, com a diminuição do influência do cristianismo e da perda de sentido simbólico da cruz para muitos ocidentais, e apesar do poderio e a riqueza actual das sociedades pós-cristãs, que estas sejam percebidas como estando em profunda crise e ameaçadas de morte?

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

A raiz luminosa

JCM - Raiz e Utopia (a descida da luz) (2007)

Muito facilmente se toma a raiz como o símbolo daquilo que liga o homem ao que é obscuro, à profundidade tenebrosa dos elementos telúricos, ao que se esconde e não se deve, em si mesmo, manifestar. Mas se as raízes do homem estiverem não nas trevas mas na luz, como compreender então a simbologia da raiz? A raiz será, nesse caso, a luz que desce para iluminar até aquilo que há de mais obscuro, será uma raiz luminosa.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Haikai do Viandante (207)

JCM - Mitologias (sea and sky) (2014)

entre mar e céu
a  manhã de nevoeiro
luz sombra e véu

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Do aparente improviso

Albert Bloch - Impromptu (1959)

Não, não é improviso aquilo que, na viagem, pode ter essa aparência, por ausência de planeamento prévio. Não se trata de responder às solicitações do caminho, da vida, ao acaso ou de forma casuística. Aquilo que tem a aparência de um improviso, como um impromptu musical, não é mais do que a expressão da mais funda liberdade do viandante, daquilo que, através dessa liberdade, necessariamente se exprime. Em todo o aparente improviso, devemos aprender a ler a expressão de uma ordem que antecede e supera as pequenas ordens que o pobre planeamento humano traz consigo.

domingo, 5 de outubro de 2014

No mais inesperado dos lugares

Ana Peters - Azul Prusi (1993)

Múltiplos são os matizes que se abrem na viagem. Aquilo que aos olhos do turista se mostra como insuportável uniformidade, o viandante vê-o com inúmeros cambiantes. A este não lhe interessa o pitoresco ou a descoberta de culturas diferentes, essa frouxa justificação para dar vazão ao medo da monotonia. A viagem é a própria vida em busca das raízes do ser, em busca da palavra que chamou o viandante à existência. Por isso, o olhar deste, ao contrário do turista, é profundo e demorado. Um sinal pode ser encontrado no mais inesperado dos lugares.

sábado, 4 de outubro de 2014

Poemas do Viandante (478)

JCM - Mitologias (tempo de Outono) (2007)

478. chegaram os dias de penumbra

chegaram os dias de penumbra
sob os plátanos

sentados no jardim aguardamos
o cair da noite

ouvindo pássaros e folhas secas
o sussurro do vento

escutando a voz do coração
no rumor do bosque

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

A extravagância do acontecer

JCM - Time on space. Porto Batel (2008)

Quantas vezes se pensa que a vida não passa de um amontoado extravagante de acontecimentos, fruto do acaso e do cego desejo. O viandante, porém, deve aprender a afinar o olhar e a observar nexos e configurações onde elas não são visíveis. Isso significa elevar-se para poder abarcar num relance aquilo que em baixo é imperceptível. A extravagância do acontecer revela-se-lhe então em fulgurações plenas de sentido.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

A fenda

JCM - Mitologias (a fenda) (2007)

Pensa-se muitas vezes a fenda como  manifestação da entropia de um determinado sistema, digamos assim. Diz-se que se abriram fendas em qualquer coisa e entende-se que esse acontecimento contém uma ameaça. Mas, como em tudo aquilo que contém um excessivo poder simbólico, ela representa também uma abertura para uma outra luz, uma outra realidade. E estas duas faces, a do perigo que espreita e da luz que  chama, estão plenamente presentes quando se convoca a fenda para simbolizar o perigo de derrocada ou o início da iluminação.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Ser de todos os lugares

JCM - Mitologias (com vista para o mar) (2014)

A solidez do mundo, a sua estrutura e organização são frágeis e impotentes perante o contínuo crescimento da entropia. De um momento para o outro, tudo começa a dissolver-se e a precipitar-se na água, liquefazendo-se. Mesmo que seja alguém da terra, o viandante deve aprender não a nadar mas a tornar-se água. O seu destino é tornar-se água na água, terra na terra, ar no ar e fogo no fogo, pois ele não pertence a lado nenhum e, por isso, é de todos os lugares.