quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Poemas do Viandante (367)

Brueghel el Viejo - Mundo Traidor (1568)

367. DESFEZ-SE O ANTIGO CÍRCULO ONDE SE REUNIAM

Desfez-se o antigo círculo onde se reuniam,
para pronunciar longos veredictos
e assim colocar o mundo nos eixos,
de onde a cegueira dos homens o desviava,
lançando-o, incautos, na penumbra abissal,
as ruelas vazias e as praças incendiadas.

Vagueiam perdidos os velhos juízes,
cegos e sem préstimo por caminhos em ruínas.
Comungam o antigo ardor pela coisa justa
e a dura pena que o tempo lhes trouxe.
Olham e não reconhecem nos campos
a erva verde ou a sóbria seara sob o vento.

Tremem-lhes as mãos e o dorido coração,
a chaga febril, a impiedade contra eles lançada.
Desejam célere a morte que não vem.
Desejam escura a noite que o dia não traz.
Desejam cegos os olhos que tudo divisam.
Eles, alicerce onde a vida triunfante florescia.

Fruste a casa que a ombreira me oferece.
Encosto-me e avisto ao longe vultos de sombra
e seda, velhos peregrinos exaustos de caminhar.
Chamo-os e quando chegam digo-lhes que a justiça
esteja convosco. Sorriem e sentam-se a meu lado.
Na parede uma rosa; pão e vinho sobre a mesa.