quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Poemas do Viandante (366)

Joan Ponç - Suite Inquietude (1947)

366. O DESASSOSSEGO É FEITO DE SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS

O desassossego é feito de semelhanças e diferenças,
uma espécie de doença venérea comprada
nas noites em que a insónia canta sobre o cansaço,
e traça a vida com régua e esquadro
para a entregar, mal chega a manhã, ao serralho
das equações e dos problema irresolúveis.

Na face, trago esculpido esse fundo sobressalto.
Nem o sol nem a lua têm poderes para me curar
e a água do mar vem carregada de dor e solidão.
Oiço a estridência a anunciar o amola-tesouras
e penso: vai chover, enquanto o dia se afunda
na angústia que vagarosamente de mim se deslaça.

Passou a hora em que o teu corpo me trazia a certeza,
a exuberância do animal triunfante na selva,
a suprema saúde de nada haver para meditar.
Tocava-lhe na branca fragilidade da pele
e não havia fórmulas ou regras que me contivessem,
palavras tomadas pelo assalto do pensamento.

O tempo parece abrandar, ouve-se o chiar das rodas
nos carris, uma nuvem de faúlhas perdidas no ar.
Sentado, entrego-me a uma rememoração esquálida.
As palavras mirram, perdem sentido e secam,
eram as últimas flores que te deixara nas mãos
antes de tudo ter escurecido na noite que se levanta.