segunda-feira, 16 de julho de 2012

Poemas do Viandante (301)

João Queiroz - Desenhos a carvão

301. DEIXO QUE ME TOQUES A MÃO

deixo que me toques a mão
e o peso da tua sombra
me abra os olhos
para a vastidão do céu
a pura alegria
da luz
no súbito raiar de uma estrela

deixo que cantes na noite
um presságio
as ervas secas no verão
tudo o que o amor tem
para esquecer

deixo que tragas um búzio
para escutarmos o azul do oceano
o rumor incerto das águas
todos os mistérios
que a alma esqueceu
ao inclinar-se
para o murmúrio da vida