sábado, 16 de fevereiro de 2013

Sonetos do Viandante (14)

Egon Schiele - Mulher com meias pretas (1913)

14. Esse teu ser de rosa desbravada

Esse teu ser de rosa desbravada,
Esse teu querer branco e silencioso,
Essa tua mão de seda iluminada,
Essa tua luz no dia breve e ocioso.

Tudo isso guardo na memória,
Horas longas, sombrias, horas perdidas,
Onde perder-me era fim, vitória,
Prazer secreto, ânsias desmedidas.

Infindável engano que aos mortais
Sempre traz o seu fruto envenenado.
Na fímbria da tua pele, os meus dedos

São sinal, são desejo de mais e mais
Querer esse teu ser embriagado,
Perdido na fria luz dos meus segredos.