sábado, 2 de fevereiro de 2013

Poemas do Viandante (403)

Ivonne Sánchez Barea - Cienaga azul I (1999)

403. O azul desliza sob os meus dedos

O azul desliza sob os meus dedos,
promessas trazidas do mar,
o resto dos dias frios,
a verdade que se esconde ao olhar.

Construíamos paisagens de gelo
e aguardávamos a primavera,
a sombra dos primeiros frutos,
os ventos correndo sobre a hera.

A breve simplicidade do céu descia
e em nós abria-se volátil.
Trazia paisagens de cobalto
presas a um fogo de luz anil.