sábado, 23 de março de 2013

Sonetos do Viandante (19)

Odilon Redon - La lucha de la mujer y del centauro

19. Feroz centauro, que vida te espera?

Feroz centauro, que vida te espera?
A velha ordem está moribunda.
Não há jardins, nem os rios trazem água
Para matar do desejo a fria sede.

Descansa agora que o mundo perdeste,
Deixa a memória trazer-te vitórias,
Rudes derrotas, prazeres perdidos.
Dobra a cerviz, venha o dia submeter-te

Ao grande jugo da fétida dor.
Ouves o cântico, vil companheiro,
Do arcanjo de asas de sombra e seda?

Oiço um rumor, cresce o medo, a terra
Treme no exílio, severa e sombria.
Feroz centauro, que morte te espera?