sábado, 16 de março de 2013

Sonetos do Viandante (17)

Gustav Klimt - Dánae (1907-8)

17. Estranha geometria a dos teus braços

Estranha geometria a dos teus braços,
Pobre flor desfolhada p’la manhã,
Surpresa deslumbrada nos cansaços,
Frágil Eva perdida na maçã.

Vejo-te nesta hora que a pressa,
Negra no seu silêncio, matará.
Celebremos a vida porque essa,
Fria, rápida, por nós, vil, passará.

Quero-te pois, agora, ao prazer
Submetida. Desejo ao desejo chama,
E despido o teu corpo se dá a ver.

E tudo em mim treme e se inflama
Ao tocar-te e sentir o teu querer,
Que pelo meu de súbito reclama.