quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Poemas do Viandante (374)

John Marin - Landscape, Mountains (1918)

374. É TÃO TARDE PARA ANOITECER NA FLORESTA

É tão tarde para anoitecer na floresta,
os animais recolheram-se na funda toca
e o teu coração pulsa receoso do que não vês.
Nada há para temer, porém. Somos os amigos
do invisível, dele esperamos a palavra,
o gesto amplo que indica o caminho,
os hinos que escutaremos à chegada.

Despe-te e deixa o teu corpo no círculo aberto
ao meu olhar, na esplanada onde os sentidos
te convocam para a grande dança da noite.
Ainda não somos inteiros sob o luar,
só agora damos os primeiros passos na montanha,
mas as minhas mãos erguem-se para ti
e esperam vazias o milagre da tua pele.

O tremor que te toca vem das coisas que passam,
do frémito com que se entregam ao devir
e entram no esquecimento que o tempo traz.
São sempre assim os prelúdios, marcados
pela fugaz hesitação, a dúvida cintilante,
pois para nós, mortais, esse é o caminho
que pela floresta ao cume da montanha conduz.