sábado, 6 de outubro de 2012

A condição animal

Amparo Segarra - Descanso y Trabajo (años 70)

A vida do espírito assenta num sagaz equilíbrio entre o descanso e o trabalho. Os gregos antigos descobriram no ócio a virtude que lhes permitia dedicarem-se ao exercício da filosofia, à actividade espiritual. Isto é tanto mais sintomático quanto a pólis grega é o centro de uma intensa actividade pública. O mosteiro medieval beneditino vai encontrar - na sigla que o resume: ora et labora - o equilíbrio para que a vida espiritual floresça. Só a sociedade moderna, marcada pelo triunfo da burguesia sobre a aristocracia, vai desprezar o ócio, o espaço para o livre desenvolvimento do espírito. Nos dias de hoje, a ideologia triunfante é a da pura submissão da vida dos indivíduos ao trabalho e à acção. O resto, se o houver, é dedicado à distracção, ao mais puro divertissement, para usar uma expressão de Blaise Pascal. O triunfo da economia e da visão burguesa do mundo pode representar a vitória do progresso tecnológico e material, mas significa, ao mesmo tempo, o triunfo da mais aviltante subjugação do homem às suas necessidades e desejos materiais. Pela primeira vez na história da humanidade, o homem rege-se pura e simplesmente pela sua condição animal.