segunda-feira, 10 de junho de 2013

Poemas do Viandante (420)

Díaz Olano - Desnudo (1895)

420. Deixo a mão escorregar no teu dorso

Deixo a mão escorregar no teu dorso
e sinto a pele sequiosa de água,
o rumor  do desejo na memória do mar,
as areias brancas batidas pelo vento,
o antecipado prazer de cada sensação.

Fosse a tua pele azul e os seios falassem.
fosse a tua voz sombra e a boca calasse.
Fosse a tua mão silêncio e o sexo cantasse.
O dia viria com o seu império de luz
e abriria para a noite a cortina do amor.

Deusa nocturna tragada de memórias,
concha aberta onde repouso,
serva fascinada pela voz do senhor.
Vem! Escurece em mim as trevas
e ateia um fogo no buraco negro da solidão.

Consome-me célula a célula,
rasga-me a carne e dilacera-me o peito,
deixa arder o sexo na água da minha boca.
Sonâmbulo, desenho-te o corpo
na poalha viva da memória fracturada,

e escrevo nessas ancas o casto segredo
dos dedos que se tocam e ressoam,
do eco do teu nome na fímbria do coração,
do lençol branco onde te desejo:
Pura, intocada, meretriz de sangue incendiada.

Sem comentários:

Publicar um comentário