domingo, 24 de fevereiro de 2019

O sal do silêncio (5)

Tal-Coat, D'ardeur, 1972

Fevereiro declina. Deixa um rasto de luz sobre os muros e aquece os gatos deitados ao sol. Ouve-se um sussurro, pássaros voam entre varandas. Numa janela uma planta florida deixa cair a sua bênção sobe quem a olha. De repente, o cavalo do vento foi esporeado, logo se empinou, enquanto um relincho agitava as primeiras folhas que antecipam a Primavera.

Sem comentários:

Publicar um comentário