quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Meditação Breve (98) O homem moderno

 Martien Coppens, Textile machine, 1950s

Para além da paixão por si mesmo, o homem da modernidade foi assaltado por duas grandes paixões: a da mobilidade e a da máquina, como se o seu destino fosse mover-se cada vez mais depressa e pensar cada vez mais mecanicamente, até que se torne uma máquina que se move à velocidade da luz.

Sem comentários:

Publicar um comentário