terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

O sal do silêncio (4)

Antonio Tápies, Cuatro Tazas

Os dias crescem como se fugissem das trevas. Os pássaros cantam mas ainda não vejo despontar as folhas nas árvores, ou talvez esteja desatento. Se estivesse perto do mar ia ver as gaivotas e os barcos que regressam da pesca. Assim, sento-me e espero que um anjo mudo se sente ao pé de mim para que eu converse com ele.

Sem comentários:

Publicar um comentário