domingo, 6 de março de 2016

Uma carta

Alfonso Sucasas - Carta a Rosalía (1989)

Escrevi esta carta como se tivesse alguém a quem a enviar. Imagino uns dedos a abri-la, a ânsia a bater no coração antes de os olhos tomarem de assalta as palavras, palavras escritas num azul tão puro, como aquele que o céu deixa ver nos dias de primavera. Ao imaginar, esses dedos e o pulsar do coração sob os seios, enterneço-me. Há tanto tempo que não me enterneço. O meu coração endureceu e eu escrevo a carta para te poder imaginar a lê-la e enternecer-me na melancolia que haveria em ti, se eu te tivesse escrito e se tu abrisses a carta para ler as palavras que te escrevi com o mais puro azul que o céu tinha.