terça-feira, 30 de julho de 2013

Poemas do Viandante (427)

Lluis Rigalt - Ruínas (1865)

427. Não sei o peso da ruína

Não sei o peso da ruína
sobre os ombros do mundo.
Não sei a cor do manto
com que os anjos se cobrem.

Transporto comigo a cegueira
e traço nas ruas letras de cal,
enquanto espero a loucura
que os dias me hão-de trazer.

Levanto a espada sobre o fogo
e aguardo a hora aprazada:
uma serpente ergue-se na luz
e o vento rodopia silencioso.

De sombra em sombra cavalgo,
perdido da pátria que achei.
Restam-me ruínas, anjos caídos,
a cal enlouquecido pela luz.