sexta-feira, 28 de abril de 2017

Silhuetas

Ruth Orkin - Central Park South silhouette. New York  (1955)

Estamos convencidos de que vemos, se os olhos funcionam e há luz suficiente, as coisas como elas são. E se aquilo que vemos não passar de silhuetas, perfis desenhados a carvão sobre a sombra? Como interpretar essas silhuetas? Será que precisamos de tornar a visão ainda mais aguda através de lentes cada vez mais potentes? Esse estratagema, porém, apenas nos devolve novas e novas silhuetas, como se estas insistissem em dizer que são símbolos não para a visão mas para a meditação sobre o mistério que habita cada coisa que se torna presente aos homens.