segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Do aparente improviso

Albert Bloch - Impromptu (1959)

Não, não é improviso aquilo que, na viagem, pode ter essa aparência, por ausência de planeamento prévio. Não se trata de responder às solicitações do caminho, da vida, ao acaso ou de forma casuística. Aquilo que tem a aparência de um improviso, como um impromptu musical, não é mais do que a expressão da mais funda liberdade do viandante, daquilo que, através dessa liberdade, necessariamente se exprime. Em todo o aparente improviso, devemos aprender a ler a expressão de uma ordem que antecede e supera as pequenas ordens que o pobre planeamento humano traz consigo.