quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Dançar na tarde marítima

Nadir Afonso - Deusas do Vento

Abrir-se ao vento, abandonar o corpo no espaço, perder o norte, desconhecer tudo o que se sabe. Assim começa a viagem. Uma pergunta, a súbita estranheza de um mundo sem sentido, o chamamento daquilo que vem de longe e se aproxima trazido pela a aragem. A senda é uma dança com os elementos, com a terra de onde os pés se elevam, com a água que toca o corpo e o salva, com o ar que nos eleva ao fogo. 

No éter eterno, quem espera por nós, quem espera por aquele que dança? O corpo é uma labareda. Ergue-se sobre a terra, dança no céu com o fogo que se aproxima, que o chama, o rapta, e rouba-lhe cada palavra, pois o silêncio é a casa onde o fogo ilumina aquele que, sob o vento, dança na tarde marítima, na pureza azul de todos os mares batidos pela primavera, pelo verde onde um moinho nasce no centro da memória perdida.