domingo, 6 de fevereiro de 2011

Poemas do Viandante

156. TERRA BALDIA

a terra baldia
onde ficou o coração
– campo de ervas
ao sol da tarde –
lembra a pele branda
desse corpo
afogueado
de água e mar