sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Poemas do Viandante

160. MNEMOSYNE

a memória
que desfolhavas
entre dedos
era um céu
que se abria
para a luz
onde guardavas
rios e segredos