terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Poemas do Viandante

158. TROVA

a labareda ateia
silêncio no bosque
e canta-te
ó promessa
de água

trova tão pura
ao arder no peito
lembra o dia –

irrompe sob a lua
que o anuncia