sexta-feira, 30 de agosto de 2019

O sal do silêncio (25)

Philip Jones Griffith, Group of school children with their teacher waiting to board a bus. Liverpool,  1952
O silêncio que cresce nos rostos e transpira para o mundo traz uma mensagem feita de rugas, sorrisos tolhidos nos lábios, olhares abertos para o invisível. Não há luz que o ilumine nem trevas que o obscureça. É um silêncio habitado por larvas inquietas que nele encontram o sossego do seu casulo.

Sem comentários:

Publicar um comentário