sexta-feira, 29 de março de 2019

O sal do silêncio (9)

Jean Dieuzaide, Albarracín, Spain, 1955

O rigor das pedras alimentava o silêncio das manhãs. Por vezes, passavam mulheres carregadas de pão e frutas. Quando chegava o meio-dia, o sol cintilava no chão, anunciado a estiagem e a luz que a noite traria presa à ondulação das estrelas.

Sem comentários:

Publicar um comentário