segunda-feira, 11 de março de 2019

À janela

Edouard Boubat, France, 1977

Foi lenta a metamorfose. As coisas mais surpreendentes acabam por parecer banais se o tempo nos habituar a elas. Contrariamente ao hábito, ela abriu a janela. O facto, por inusitado, provou comentários. Também muito notado foi o caso de, passados dias, aparecer no parapeito da janela um gato. Demorou mais de meio ano para que ela, naquela altura ainda muito bela, surgir na janela. Foi o alvoroço. Depois, tornou-se rotina. Passado um ano, nem ela nem o gato saíram mais daquele lugar. Murmurou-se, mas o rumor depressa acabou. Habituamo-nos a tudo e nem sequer foi problemática  a descoberta que o único ser vivo era, apesar de cortado, o ramo preso nas mãos dela. Floresce uma vez por ano.

2 comentários:

  1. Talvez precisasse de mais do que um olhar, de mais do que um comentário ...

    Bom dia, Viandante.

    ResponderEliminar