domingo, 25 de março de 2018

Uma cegonha

Leo Matiz, Frida Kahlo tomando el sol,1941

Conheceu-a bem, julgo. Talvez o dia mais memorável da minha vida foi aquele em que ela se deitou ali mesmo. Está a ver a sombra da árvore? Foi aí. O sol banhava-a  e ela resplandecia. O vento levantava-lhe o vestido. Não tinha qualquer peça de lingerie, apenas a pele. Esplêndida. Confesso que a desejei. O que me assombrou não foi a beleza do rosto nem o corpo magnífico que vento descobria. Foi a sua partida. A certa altura, pôs-se de cócoras, o vento enfunou-lhe o vestido e, pode crer, este transformou-se em asas enormes e cintilantes. Estremeci, maravilhado. Então, ela levantou voo e desapareceu atrás das nuvens. Era uma cegonha.