sábado, 31 de março de 2018

A beleza

Kishin Shinoyama, 1968

O seu ar era puro e a maneira de andar recatada. Comecei a esperá-la com ansiedade. Um dia, ganhei coragem e falei-lhe. Respondeu-me. Acompanhei-a e disse-lhe que a iria buscar. Disse-me o nome e, para minha surpresa, assentiu. Assim o fiz e quando me aproximava de casa convidei-a a entrar. Não recusou. Ao fechar a porta, toquei-lhe no braço. Ela afastou-me com delicadeza e despiu-se diante de mim. Eu ardia de paixão. Nua, ajoelhou-se, sentou-se sobre os calcanhares, inclinou, levemente, o dorso para trás, a cabeça para a frente e para baixo. Nunca vira nada tão belo. Não resisti, e toquei-lhe. Horror. Estava fria. Sob os meus dedos, uma estátua de mármore. Essa mesmo que vê no jardim.