sábado, 2 de dezembro de 2017

A espera

Elliott Erwitt - Musée de l'Orangerie, Paris, 1998

- Encosto-me ao silêncio frio da parede e espero. 
- Um museu é um belo sítio para esperar. Será que vem? 
- Outrora, estaria inquieta e jamais ficaria impassível. 
- Era tão impulsiva? 
- Se era, mas isso foi há muito. 
- E continua a esperar?
- Há que manter a disciplina.
- Mas, espera por...
- Por ninguém. Nunca falta.