quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Ilusão

Edward Weston, The Marion Morgan Dancers, California,1921

- Vê-as? Está mesmo a vê-las?
- Sim, já lhe disse que sim. Por que pergunta?
- Vejo-as, há muito, mas nunca me aproximei delas. Com o passar do tempo comecei a convencer-me que eram uma ilusão.
- Uma ilusão? Talvez tenha razão. Uma ilusão...
- Uma alucinação, como a daqueles que se perdem no deserto e vêem oásis onde só existe areia.
- E elas estão sempre assim?
- Sim, despem-se, riem e olham para as imagens reflectidas no lago. Depois, pegam na roupa e desaparecem.
- Nunca se sentiu tentado...
- Todos os dias.
- E nunca se aproximou?
- Ó não. E se fossem apenas uma miragem? 
- Compreendo-o, nunca devemos trocar o certo pelo incerto. 
- Já tenho anos suficientes para não trocar um belo engano pela crua realidade. Olho-as e isso basta à minha solidão.