quarta-feira, 13 de abril de 2016

Na margem do passado

Pieter Brueghel, o Velho - Dia sombrio (1565)

Sento-me na margem do passado e deixo o rio correr aos meus olhos. Demorei séculos para chegar aqui. O presente cansava-me e viajar para o futuro seria estultícia. Olho, e a vida que vejo, os homens a trabalhar na floresta, a aldeia pousada na sombra do dia, pertence já ao reino da morte, mas tenho a minha lira e comprei, como Orfeu, uma viagem ao reino subterrâneo. Não, não vim resgatar nenhuma Eurídice que, um dia, teria amado, neste lugar cujo nome há muito não pronuncio. Estou aqui para me recordar do que fui, das paisagens que amei, do sopro do vento sobre as águas do rio. Sento-me na margem do passado e olho a perfeição com que tudo passou.