terça-feira, 5 de abril de 2016

A queda

Antonio Tápies - A Queda (1982)

Podemos ver no mito da queda de Adão e Eva uma explicação simbólica para a nossa finitude. Essa visão inscreve-se ainda numa lógica de racionalização pré-científica da vida humana, um momento em que as faculdades humanas ganham força para se emanciparem e encontrarem explicações racionais. Por exemplo, o criacionismo bíblico seria a ante-câmara da teoria da evolução darwiniana. Do ponto de vista espiritual, contudo, isso é irrelevante. A queda é antes a experiência contínua de um espírito dilacerado entre o seu desejo do alto, do que é elevado, e a força da gravidade que o empurra para o que é baixo e degradante. A queda é o elemento central de toda a vida espiritual.