quinta-feira, 7 de abril de 2016

A sombra vazia

Mario Sironi - Ciclista (1916-20)

Pedalo nesta estrada rugosa, neste dia de sombra. Pedalo para fugir à noite. Pedalo para escapar ao dia. Sou um ciclista e corro, em sprint desmedido, para o infinito, para a vitória que me deseja, para os louros que me hão-de coroar. E neste ir está toda a minha essência e estão todos os  meus acidentes. Pego na bicicleta e, ao sentar-me no selim, descubro a minha casa, que é não ter casa nenhuma e ser um eterno viandante. Sinto os músculos dobrarem-se ao imperativo que me guia, sinto o ritmo cardíaco acelerar com a descoberta que me espera. E pedalo, pedalo firme no crepúsculo e corro para a terra oculta onde, passada a meta, me aguarda a minha sombra vazia.