domingo, 5 de março de 2017

Graffiti

Brassaï - Graffiti, Paris (1944-45)

Há em muitos graffiti que poluem as paredes das nossas cidades uma revelação espiritual que raramente se tem em conta. Não me refiro aos que pretendem transmitir mensagem significativas e socialmente reconhecíveis, mas aos que desejam apenas exprimir, num gesto que derrama tinta sobre uma parede, uma emoção ou um sentimento. Traduzem um mal estar, uma opressão da esfera emotiva pela esfera significativa, uma impossibilidade de conferir sentido quando tudo parece entrar em derrocado. Resta então o grito silencioso jogado numa parede. De certa maneira, há um retrocesso, um recuo do campo da interacção comunicativa para o da mera expressão, mas esses mesmos graffiti mostram que o espírito, também ele, se sente preso nos ardis da semântica e nas regras licenciosas da gramática.