terça-feira, 27 de setembro de 2016

Para quê?

Gwen John - A Corner of the Artist’s Room in Paris (1907-9)

Um dia sentar-me-ei naquela cadeira e olharei a manhã. Para quê?, pergunta-me, inquieta, a manhã. Deixo correr os olhos pelo muro da frente, pelo azul do céu, pela macieira desgrenhada que ainda não vejo. Fico em silêncio, e a manhã, entrando pela janela, abana-me e insiste: Para quê? Não sei o que dizer, pois tudo o que sei é pintar, distribuir as cores pela tela, fazer nascer a luz e a sombra. Sento-me, então, ao cavalete e pinto, pinto a cadeira onde me hei-de sentar, a janela por onde veja o mundo, o livro sobre a mesa e a manhã que me olha atónita e não cessa de perguntar: para quê?