domingo, 28 de dezembro de 2014

Em cada amanhecer

Paul Delvaux - O amanhecer (1943)

Há para o espírito do homem uma clara vantagem na concepção cíclica do tempo. A concepção linear da duração arrasta com ela um contínuo sentimento de perda, de perda irremediável. O futuro não é uma conquista, mas a perda definitiva do passado e do presente. Mas, se pensarmos o tempo de forma cíclica, descobrimos no contínuo retorno do mesmo um crescimento e um aumento do vigor espiritual. Sabemos que após cada noite - por fria e escura que seja - virá a irrupção súbita da luz ao amanhecer. E se esse amanhecer está já tingido pela luz que diminui até que venha de novo a noite, o viandante sabe que depois virá uma nova manhã, mais rica, mais densa e mais plena de sentido que a anterior.