quarta-feira, 24 de setembro de 2014

A vida e o outo

JCM - Distopia (a silent city) (2007)

Eu dou-vos um mandamento novo: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros (Jo 13,34).

Qual o padrão que deve orientar a nossa relação com o outro, esse outro que é também um próximo? O judaísmo tinha codificado essa relação na lei mosaica, a qual, com os seus mandamentos, estabelecia o padrão que deveria presidir às relações com o outro e o Outro. Esse padrão, mesmo quando fala no amor a Deus, assenta na ideia de respeito. Pela lei mosaica, o respeito pelo outro é a pedra angular da relação ao próximo. Ora o cristianismo traz um novo mandamento, o do amor ao próximo. E qual é o padrão deste amor? O padrão é o amor que Cristo terá devotado aos homens. Ora esse amor está muito longe de ser um delíquio  afectivo, uma vaga sentimentalidade tão ao gosto da nossa época. Para além da aceitação do outro figurada no perdão, o amor crístico reside na dádiva da vida. Toca na raiz daquilo que nos é mais precioso, a vida. Qual é o padrão de amor ao próximo que o cristianismo traz consigo? O dar a vida, morrer por esse outro. Que tal mandamento tenho colonizado parte do mundo, mesmo que a generalidade dos crentes não esteja disponível ou seja impotente para o cumprir, não deixa de ser um mistério.