sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Poemas do viandante

126. TEMPO (3)

o murmúrio da erva
na terra a arder
a porta que se abre
quando chamas
sombra da sombra
o que resta do coração