quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Poemas do viandante

123. ROMÃ

o resto de romã
a arder na boca
a madeixa
tocada pelo vento
o silêncio entreaberto
dos lábios

tudo isso
testemunho
se aguardo
o toque dos sinos
num mar de lilases
e cristais de seda

um cão uiva
o coração afogado
na boca de lilás
nos lábios presos
ao fértil anoitecer
da breve romã