quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Poemas do viandante

124. TEMPO

uma ruga
no silêncio da areia
a lágrima caindo
o dedo decepado
do verdugo