quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Poemas do Viandante (47)

47. CLAREIRA (2)

um enredo 
de papel
o feixe de ervas
à cabeça
e de súbito 

um segredo
traz a noite
à clareira 

da tarde