segunda-feira, 7 de agosto de 2017

A acossada

Gerda Taro - Republican militiawoman training on the beach, outside Barcelona, Spain, 1936

Apontar, a mão firme. Não hesitar, nunca hesitar. Não há coisa pior do que hesitar. Hesito e intrometem-se nos meus sentimentos. Estarei perdida. Não me amam. Olham-me e sinto os olhos do inimigo a rodear-me. As suas mãos na minha pele, as suas palavras de amor. Não quero que me toquem, sinto a pele suja. Não posso hesitar. Apontar, a mão firme e desfazer-me deles. O joelho por terra, alvejá-los antes que se aproximem e tragam o ronco das suas vozes, o martelar dos seus dedos. Rodeiam-me, aproximam-se, o que faço? Hesito, não hesito? Disparo. Para quê?